and posted in Entrevista, Tradução

Continuando a seção “Arena 37C Agosto 2009 – personal interviews”, atrasei um pouco, mas agora é a vez do Reita
Baixos demais pro meu gosto rs

Inglês: Guren_Void LJ
PT-BR: Mari @ MH

Coisas entre ( ) são explicações da própria revista
Coisas entre [ ] são comentários meus


 

Você preparou tudo antes de começar a trabalhar no novo album? Tanto do ponto de vista mental quanto do equipamento?
R: Me preparei. Não muito do ponto de vista mental, mas sobre o equipamento, já que faz tempo desde o ultimo álbum, para fazer as coisas que eu queria sem estresse, eu achei que queria arrumar o equipamento antecipadamente. Eu comprei 3 baixos. Baixo de Jazz, PB e um Humbucker. Eu não tinha um baixo de Jazz antes. Ainda assim, eu amo o baixo de Jazz. Dessa vez, eu não o usei o tempo todo, mas eu comprei um Humbucker que era o certo pra isso [gravar o DIM]. Tem um poder impressionante. E eu fiquei muito feliz quando achei que tinha feito a profundidade que queria [do som]. Na hora dessa gravação, as 4 músicas em abril eu as dividi em 2 em Maio. Em algum ponto de abril, eu comprei 2 violões, mas a sensação que eu consegui tentando tocar as 4 músicas foi o que me fez pensar que precisava comprar mais um violão. Tinha o apelo de uma profundidade mais pessoal. Depois da parte de terminar as 4 músicas, eu fui comprar mais um.

Você fez uma compra adicional do Humbucker?
R: É, é. Falando nisso, as músicas em que usei o Humbucker foram OGRE, A MOTH UNDER THE SKIN, 13STAIRS[-]1, e DIM SCENE, essas 4.

O~, entendo. Essas 4 músicas!

R: É (risos). Eu teria ficado muito feliz se eu pudesse tocar sem a sensação de grande estresse. Mas como esperado, foi o oposto.

Dessa vez, você tentou fazer algumas músicas?
R: Sim, mas elas foram rejeitadas (risos). Não é que nós não trouxemos o conceito desde o começo, mesmo que tenhamos gostado das músicas que fizemos, mas do ponto de vista da fluidez [do álbum] quando as músicas feitas por todos e a intimidade [entre as músicas] não era boa, nós não podíamos aceita-las. Ficamos fechados por bastante tempo (risos) [ele quis dizer fechados num quarto escolhendo as músicas].

Entendo. Mais ou menos quando a visão do mundo do DIM foi aceita?
R: Quando chegou a hora em que decidimos que faríamos músicas assim, Ruki quis fazer o conceito desse album mais ‘dim’ (obscuro), então depois de uma conversa sobre isso, todos aceitaram. E durante a reunião quando estávamos escolhendo músicas, nós temporariamente alinhamos as músicas que escolhemos, e entãotentamos aplicá-las ao conceito ‘dim’ que Ruki trouxe, havia músicas que não combinavam com essa visão do mundo, e depois que todos concordaram unanimemente que estava tudo ok, nós decidimos coloca-las [no álbum].

Olhando como um todo, vocês na verdade se viraram na direção onde elas [músicas] se encaixariam nele [conceito].
R: Sim, Mas também, foi totalmente diferente. Se nós não nos apegassemos à base [conceito] deste [album] que nós decidimos, o modo como a sensação é mostrada [no álbum] teria sido mudada.

Teria né. Ainda assim, também havia uma posição difícil para o baixo. Com relação a gravação, e a parte de ritmo [baixo + bateria], porque junto na gravação há a bateria, também há o ritmo dos instrumentos musicais, já que também temos a parte dos instrumentos de corda, para combinar ambos os lados bem, eu diria que depende do baixo. [ele está falando como Reita tem que tomar cuidado, já que ele é a base do som junto com a bateria, para manter o ritmo das guitarras]
R: Verdade, foi uma situação difícil, é uma posição solitária, o baixo (risos).

Sua posição é aproveitar (risos).
R: Com certeza (risos). É difícil ter que estar entre o intervalo musical e o ritmo. Mesmo nesse tipo de caso quando tento me juntar com o som da bateria apenas, mas quando penso sobe o momento quando as guitarras são adicionadas a isso, honestamente os métodos do baixo são limitados e o poder da imaginação é necessário.

O senso de sentimento se torna bastante necessário.
R: Exatamente. Tivemos muitos lugares difíceis dessa vez também. [com lugares ele quer dizer lugares entre o ritmo e o intervalo musical que ele citou anteriormente]

Qual foi a música mais problemática?
R: Foi NAKIGAHARA do ponto de vista do baixo. Eu sentia a imagem fortemente, mas faze-la acontecer de modo que a expressão realmente tenha essa imagem, foi muito difícil e tomou bastante tempo.

Já que a imagem tem que ser criada facilmente, não foi fácil tocar, foi?
R: Não foi. Foi irritante. Fazer a imagem ficar clara, foi problemático de fazer acontecer. Não deixar a imagem muito forte, quando eu tentava toca-la na realidade, ah, eu inesperadamente consegui! Esse tipo de situação acontece frequentemente. Mais frequentemente inesperadamente, quanto mais eu tentava tocar, melhor do que me preocupar, eu conseguia facilmente.

E sobre SHIROKI YUUTSU?
R: Bem, SHIROKI YUUTSU, a bateria pulava de vez em quando, quando não pulava, já que haviam algumas coisas frequentes, havia preocupações sobre como combiner o baixo para ficar bom. No começo, peguei a composição original [do Aoi], e para essa base, quando me concentrei em cada partezinha da expressão do meu baixo para elas [bases das músicas], eu ainda conseguia balancear, mas SHIROKI YUUTSU, desde o começo as expressões que eu e o Kai pensamos para essa música não batiam [uma com a outra], Então o Kai-kun combinou com a minha. Quando ele fez desse jeito, toda a imagem mudou totalmente de direção, então a expressão fonte do Kai-kun foi restaurada e eu escolhi combinar a minha com a forma do Kai-kun.

Entendo. Faz um tempo desde que fizeram um album, você sempre tem a sensação de metamorfose?
[Aqui, a tradutora original do ingles diz que a tradução pode estar errada, se tiverem alguma sugestão (direto do japonês) mandem um e-mail para marblehell@rocketmail.com]
R: Já que fizemos mais de 70 lives com os álbuns anteriores, acho que agora somos capazes de morrer em paz [tenso xD]. Tivemos este sentimento até certo ponto, e continuou, bastante, tinhamos pensamentos especiais sobre não sermos capazes de fazer um album que amássemos. Porque 3 dias depois do lançamento a turnê começou. E, porque não vamos levar a turnê desse álbum por muito tempo, mesmo que você ouça isso apenas uma vez, a visão geral do mundo do álbum, mesmo que quiséssemos que todo mundo assimilasse fortemente porque houveram muitos problemas [enquanto era feito], eu quero que todos o sintam fortemente.

Leave your Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: