and posted in Entrevista, Tradução

Essa revista foi lançada em fevereiro de 2010
Percebam que apesar da revista ter sido lançada apenas em fevereiro, a entrevista foi feita no começo de janeiro ok.

Créditos:
Inglês: Ducky Translations
Pt-Br: Tum @ MH


 

Trazendo até vocês Aoi, o segundo jogador do plano de jogo pessoal do the GazettE. Repleto de fotografias com expressões que nunca podem ser vistas nas fotos com o quinteto. Essa entrevista com pensamentos ardentes tão sinceros é imperdível!

Enquanto olhamos para o ano de 2009, vamos falar das perspectivas de 2010.

A: Não há escolha. Vamos falar, neste caso. 2009 foi normal. Sem impressão de ter estado muito ocupado.

Eh?

A: Eh?

Você se esqueceu?

A: Esqueci o que?

Você quase morreu de tão ocupado…

A: Hã? Eu fiz isso?

Sim, você fez. (risos) Começou 2009 com o show da companhia (PSC) no Budokan em janeiro; produziu “DISTRESS AND COMA”; fez o show de aniversário de 7 anos no Makuhari Messe no dia 10 de março; começou a produção do “DIM” sem nenhum descanso. Então teve a turnê “DIM SCENE”, com o Final no Saitama Super Arena em 5 de setembro.

A: Oh~. Eu trabalhei bem duro então, não foi? (risos) Você está certo, você está certo. Eu estava ocupado. (risos) Eu realmente me sentia morto durante a produção do álbum, sabe.

É apenas humano esquecer completamente a amargura depois de tolerá-la, não é?

A: É, sim. (risos)

[Sai, o manager – ele diria “Caso nós acabemos mortos porque estamos muito ocupados pra descansar, vocês serão os responsáveis por nos matarem!”]

A: Nós fizemos isso, nós fizemos. (risos) Nós realmente pensamos dessa maneira, sabe. (risos) Mas nós tivemos alguma folga durante a segunda metade (do ano), então eu me esqueci disso. E também, talvez seja apenas eu em particular, mas eu não sou do tipo que olha pra trás. Eu gosto principalmente quando eu posso colocar tudo diante de mim, posso sentir o vigor em mim, porque eu acho legal ter essa sensação de imprudência.

Bem, você não assiste aos seus próprios vídeos? (vídeos da banda, como DVDs)
A: Estes nós assistimos. Mas não assistimos com a intenção de analisar e refletir. Eu atraio alguma senhorita mais velha de algum lugar nos arredores e assisto com ela. ‘O que é isso? Isso não é legal?’ e este tipo de coisa. (risos)

Atrai alguma senhorita mais velha de algum lugar nos arredores!? Isso é Rock. (risos) Antigamente, pessoas talentosas do exterior faziam frequentemente este tipo de comentário em revistas sobre musica ocidentais, não é? Hoje em dia, não se vê mais músicos fazendo este tipo de comentários. Eles, meio que, extinguiram a imagem de ‘pessoa ligada ao rock = pessoa perigosa.” Eles poderiam muito bem ser chamados de inteligentes. (o entrevistador quer dizer que fazendo tais comentários, essas pessoas ajudaram a abolir essa imagem ruim que as pessoas tinham do rock)
A: Pode-se dizer isso deles. Falando nisso, até eu brinco dizendo essas coisas. (risos)

……

A: Ahahaha. Bem? Onde estávamos? Ah, os DVDs. Quando eu estou assistindo coisas como vídeos antigos, eu faço isso objetivamente. A menos que se faça isso com um objetivo, é inútil, não é mesmo? Quando se trata de certos artistas, músicos ou pessoas, eu vou até o fim, por isso compro seu DVD e outras coisas mesmo que já os tenha pegado emprestado. Porque eles são eternos, sabe. É algo extremo de se dizer, está tudo bem até se você ignorar completamente isso. (risos) Os caras da minha cidade iriam nocautear uma pessoa se ela lhes falasse desse jeito. (se ela falasse mal de um artista que os caras gostam) Eles iriam agarrá-lo pelo pescoço e socá-lo com os punhos nus, ou então fechar as mãos no pescoço da pessoa a agarrá-lo de um modo que ela não conseguiria movê-lo, e então iriam socá-la. (risos) É absolutamente sádico. Mas eles são absolutamente masoquistas quando se trata de alguém a quem respeitam ou se atraem. Porque eles se deixam encantar com todo seu coração.

Isso é muito extremo, não é? (risos)

A: Não é fofo?

O que?

A: Esse meu lado.

Eh, ah, é. (risos) Essas palavras mostram características bem típicas do Aoi. Então, para você, os guitarristas do B’z não são umas dessas pessoas respeitáveis? Você continua praticando com as suas partituras?

A: Eu costumava. Eu definitivamente respeito muito os guitarristas do B’z. Mas estes dias eu encontrei algo novo para respeitar. Estes dias eu tenho pensado em dar duro no meu trabalho. Eu tive um tipo de troca de coração, percebe? (risos) Eu quero trabalhar duro agora. Por isso eu não tenho sequer jogado, recentemente.

Você também tem seu aniversário chegando em 20 de janeiro, não é mesmo?

A: Sim. As pessoas têm que envelhecer. Então, juntamente com isso, eu sinto a necessidade de me esforçar no meu trabalho.

Mas mesmo você dizendo isso, você sempre esteve duas vezes mais calmo que os outros desde o começo. Então, se você não está praticando com as partituras do B’z agora, o que mais você faz?

A: Esses dias, é Dragon Quest.

Você acabou de dizer que parou com os jogos…

A: Não é um jogo. É como um livro em que se tem que tocar ‘Dragon Quest’ em metal (estilo musical metal). É terrivelmente difícil, sabe. Treino mecânico infernal. É isso que eu venho tocando e praticando, recentemente. Primeiro eu acordo pela manhã… aí, é! Recentemente eu venho acordando de manhã sabe!

Acordar de manhã normalmente não é visto como algo incomum, sabe…

A: Mas isso é porque eu costumava ficar acordado das 4 da manhã até agora. Mas recentemente eu acordo às 10 da manhã, lavo meu rosto e imediatamente vou para a guitarra. Antes, meu estilo de vida era do tipo de acordar as 4 da manhã, lavar meu rosto, ligar o laptop e simplesmente ficar jogando até de manhã.

Você não era uma pessoa ruim?

A: É verdade, não é? Uma pessoa ruim. Mas recentemente, por qualquer motivo que seja, eu acordo de manhã e rapidamente começo a tocar guitarra, e fico tão absorto nisso que o dia se passa sem que eu perceba. Me deixa um tanto feliz. Ser capaz de tocar coisas que antes eu não podia porque eram muito difíceis. (risos) É quase como ser uma criança com uma guitarra. (risos) Hoje eu não consigo não me divertir com a guitarra. Não é um meio-interesse. Eu realmente me entrego a isto. Isso porque estes dias eu acabei criando um ‘outro eu’. Quando eu entro no ofuro (estilo de banheira japonesa), meu peito meio que escurece, e então eu me torno o outro eu. Então eu começo a pensar “O que é isso? Não pare.” Eu toco muito até nos meus sonhos, trazendo o corpo da guitarra bem perto de mim, eu me torno o ‘outro’ (risos). Eu fico “O que é isso, bem no meio do meu sonho?” (risos). É demais. (risos) Eu acabo batucando nessas horas. Eu realmente fico imerso e tenho que dizer a mim mesmo que o meu estômago deve estar ficando vazio. Quando eu olho para o relógio pensando nisso, eu percebo que já é de manhã, então não há dúvidas do porque de estar com fome.

Então, você acaba ligando pra algum delivery?

A: Não. Eu estou num humor realmente ótimo recentemente, então eu chamo algum staff e vamos comer fora. (risos) Muito convenientemente fico generoso, e digo pra mim mesmo alguma coisa como ‘Obrigado por tudo, escolha o que quiser.’ (risos) É um senso solitário de satisfação. (risos)

Ahahaha. Senso solitário de satisfação. (risos)

A: Sim, sim. (risos) Eu acredito que segurando firme no que se acredita sobre algo nos faz mentalmente mais fortes como seres humanos, e meio que, nos faz crescer. Embora eu mesmo esteja dizendo isso, estes dias eu fiquei bem gentil. (risos) Eu não fico tão bravo mais. Eu não me sinto mais inquieto à cada detalhe de cada minuto. Sinto vontade de ser desajeitado também, às vezes. É meio que relaxante, sabe. Eu acho que é muito importante sentir-se realizado, para poder amadurar. E pensar por que esta chama permanece acesa até agora. Basicamente, quando eu vejo pessoas postando vídeos de mim tocando guitarra em lugares como Guitar Mania, eu percebo como elas estão adeptas a isso. Eu quase me arrependo disso. Então eu penso ‘Yay! Vamos ficar ainda melhores!’. É aí que aquele desejo (de realização) toma forma.

Entendo. Você que ensinou a si mesmo quando começou com a guitarra, não foi?

A: Isso foi principalmente copiando partituras. Costumava ser como ‘Eu não consigo ler nada além de tablaturas!’ Eu não sabia ler nada além de tablaturas até recentemente, porque eu nunca achei que fosse importante pro meu estilo. Mas ultimamente, como eu tive tempo, estive estudando cifras também. E também estive praticando como escrevê-las. Atualmente estou tentando ver como é trabalhar do jeito de um músico. E assim será meu aniversário dia 20 deste mês. (risos)

Mas de novo, isso não é inteiramente verdade. (risos) Você é um músico famoso agora.

A: Não, não. Eu ainda sou como um gamer que andou apenas metade do caminho. (risos)

Aí, você está dizendo a mesma coisa de novo. (risos) E mesmo assim, até agora você esteve investindo fortemente em instrumentos se você sente que eles são importantes para o seu som.

A: Isso é porque eu gosto. Eu quero tentar crescer como músico, mas de uma maneira mais profunda. Esses dias enquanto eu tocava a guitarra, parece que eu estava caminhando em direção a algo como uma SE.

No teclado?

A: Gravando por partes. Ei, eu não sou um músico?

Eh, ah, com certeza. Quero dizer, uma hora você diz que é um gamer, em seguida você vem com “Ei, eu não sou um músico?”, então é melhor concordar com você. Como você gostaria de ser conhecido?

A: Por favor, deixe este assunto pra outra ocasião, porque eu não sei.

…… Claro. Neste caso, que fique bem claro que Professor Aoi é um músico. Que tal?

A: Excelente. Embora eu possa lidar bem com as etapas de gravação, eu não consigo tocar muito bem o teclado. Eu venho querendo me aprimorar nisso também. Mais do que ser um guitarrista, é uma coisa natural pra mim tocar a guitarra. Uma vez que o ponto alto encontra-se no topo, de um jeito ou de outro, eu quero desenvolver minhas habilidades tendo como alvo este ponto. Mas eu venho sentindo que chegar até este ponto não é bem o que eu queria. Mesmo sendo um músico, não é bom acabar vendo tudo objetivamente. Ultimamente, os membros também têm trabalhando esforçadamente para desenvolver suas habilidades individuais. Eu não posso perder neste ponto.

Entendi. As coisas parecem bem ambiciosas agora, não é? Algum objetivo para 2010?

A: Bem… Eu acho que compensar toda má reputação de 2009. Mesmo tendo sido muito memorável, houve esse complexo de inferioridade pra mim no último ano. Eu realmente me sentia como se eu fosse o único que ficava pra trás. Houve muitas vezes em que eu estava insatisfeito com as coisas. Então, em primeiro lugar, eu só quero trabalhar duro e alcançar os outros membros, para poder ter aquela confiança em mim mesmo. Eu estarei levando uma vida com mais significado de agora em diante. Um modo de vida com um vigor bem diferente do da adolescência.

Porque não é mais adolescência, certo?

A: Sim! Isso. Isso mesmo. Eu sinto que de agora em diante, a verdadeira natureza dos seres humanos se mostrará no meu estilo de vida. Para limpar a parte que se tornará essa verdadeira natureza, por assim dizer. Por exemplo, ‘mesmo que eu vá para um cabaré, eu ficarei conhecido não por causa da minha aparência externa, mas pelo que há dentro!’. Eu tentarei melhorar a mim mesmo em 2010 para que eu possa viver tal vida. Estes são meus pensamentos.

Você disse coisas muito boas, mas o jeito que você disse a última parte acabou soando como um roqueiro atrevido. É isso mesmo?

A: Está tudo bem. (risos) Claro que há pessoas pagando dinheiro e se exaltando porque querem ouvir nossa música, não é? Elas virão aos shows querendo nos ver tocar. De agora em diante, e não apenas por 2010, meu objetivo será dar tudo de mim para evitar ser grosseiro ou desrespeitar estas pessoas.

Esplêndido.

A: Isso porque falar é fácil. (risos)

……… Isso realmente não é verdade. Embora você, com certeza entenda e goste dos seus fãs tanto assim.

A: Bem. (risos) Eu não quero mentir. Eu só quero que eles esperem estas coisas

Leave your Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: