and posted in Entrevista, Tradução

Uma entrevista gigantesca de maio de 2009, se animem fãs do Kai!

Créditos:

Inglês: Kisekii_LJ
PT-BR: Tum @ MH

Comentários entre [ ] são do Tum.


 

Desta vez a Entrevista Pessoal traz um Photoshoot definitivo do qual toma “Solidão” como palavra-chave. O significado de “Solidão” segundo o ponto de vista de Kai. Sobre o the GazettE e sobre si mesmo. Ele se expressa quanto a tudo isso em palavras.

Eu espero que o the GazettE fique como está, e continue sem nunca mudar.
Você não pode fazer nada se simplesmente não dá certo no final. Eu acho que o mais importante é, antes de tudo, você tentar.

A época em que Kai-kun se juntou ao the GazettE (na época que era Gazetto) foi 1 ano após o the GazettE ter se formado em Janeiro de 2002, isto é, Fevereiro de 2003?
Sim. Foi cerca de um ano ou quase isso após a banda ser formada.

O que o fez se juntar ao the GazettE? Durante esse 1 ano de existencia da banda, ninguem o conhecia. Eu acredito que quando voce decidiu se juntar a banda, voce deve ter se preparado pra isso de alguma forma.
É verdade. Mas no meu caso, desde a primeira vez em que eu vi o the GazettE num show, houve algo dentro de mim dizendo “Seria ótimo se eu pudesse tocar com eles”. Eu achava que eles eram legais, e que eram uma boa banda, mas ao mesmo tempo eu dizia a mim mesmo que se eu parasse agora que eu estava aqui, eu iria me arrepender. [Ele se refere a banda que ele já tinha] Eu meio que fiquei com este pensamento dentro de mim então. Naquela época eu já tinha uma banda, mas logo depois a banda havia se desfeito. Eu vi o show e pensei “Seria ótimo se eu pudesse tocar com eles depois que eu sair” Mas naquela época, é claro, o the GazettE já tinha um baterista, e o meu sonho não se realizou. [ Foi qdo ele começou a planejar o seqüestro do Yune e-e -n ] Na verdade, eu ainda me lembro vividamente daquele show.

Nessa época vocês ainda não eram nem próximos, não e?
É, nós não éramos. Mas eu pensava como seria ótimo se pudéssemos passar um tempo junto e tivéssemos a chance de fazer musica. Algum tempo depois disso, nós pudemos fazer isso num evento onde juntariam varias bandas e misturaram os integrantes pra fazer shows juntos. E nisso, eles me convidaram. Depois eles iriam fazer uma comemoração para o aniversario do Ruki, e eu achei que seria uma boa oportunidade para eu me aproximar deles. [ Tudo friamente calculado, desde o começo –q ] Então eu apenas disse um simples “Parabéns” e quando eu percebi já estávamos trocando telefones. Mas não havia nenhum assunto diplomático ou negócios para tratarmos, nós simplesmente trocamos telefones e deu no que deu. Mas logo depois da minha banda se desfazer eu fiquei sabendo que o baterista do GazettE estava saindo da banda.

Que grande coincidência!
Sim. Eu imaginei que se eu não aproveitasse essa chance eu iria me arrepender depois. E eu disse a mim mesmo que eu não tinha outra escolha a não ser fazer isso. Mas depois que nós trocamos números, nenhum de nós havia nem ligado um para o outro nenhuma vez. Então eu hesitei por um momento. Eu estava preocupado por ter que ligar para alguém pra falar como se já fossemos chegados, mesmo sendo nosso primeiro encontro. Mas eu disse a mim mesmo que uma chance dessas nunca mais aconteceria denovo, então eu liguei pra ele.

Ok. Você disse algo como “Vamos fazer essa banda juntos”?
Bem, isto é… (risos)

Eh? Como assim? Não me diga que você disse algo totalmente aleatório? Não é possível… (risos)
Bem, foi algo perto desse “Não é possível” ~ se você coloca desse jeito… (risos)

Ahahahaha. Foi isso? O que você disse?
Eu disse de uma maneira bem indireta, “Ah, a quanto tempo. Uhm bem, tudo bem se eu for assistir o próximo show de vocês?” (risos) Não é estranho? Nós começamos assim! (risos) E então Ruki disse primeiro. Ele disse: “Sua banda se separou não foi? Veja, nós estamos sem um baterista. Se você quiser, você gostaria de entrar na banda?” Eu fico tipo “Uwah, estou muito feliz!”. Eu acho que isso é o que eles chamam de Fé. Parece que na época em que estávamos tocando naquele evento de bandas, ele me viu tocando bateria, e ficou interessado em mim desde então. Até aquele momento eu ainda não tinha conhecido o Aoi, Uruha nem o Reita, mas parece que o Ruki contou pra eles sobre meu jeito de tocar daquele evento. Ele disse algo como “Este é um baterista cujo som pode ficar nas mentes das pessoas” (Ele deve querer dizer que o estilo de tocar dele é bem único e memorável)

Isso é ótimo, essa coisa chamada Fé realmente aproxima as pessoas. Esse tipo de relação de amor mútuo é muito bom.
Tem razão. Honestamente, quando eu desliguei o telefone naquela hora eu estava tipo “Yes ! É isso aí !” e estava muito feliz. Por que eu ouvi essas palavras da pessoa que desde a primeira vez que eu a vi e estava tipo “Se um dia eu pudesse, eu gostaria de fazer uma banda junto com eles!”, e isso era algo que não aconteceria nem se eu rezasse por isso.

Entendo. Depois de se juntar a eles assim, você devia estar bem confiante em si mesmo.
Mesmo eu estando mais confiante, desde que eu havia entrado eu me sentia muito preocupado. O que me preocupava era se, depois de tudo isso, eu estava conseguindo satisfazer a expectativa dos outros membros. Eu não conseguia tirar esse pensamento da minha cabeça. No momento em que me juntei a eles eu estava muito feliz, mas imediatamente eu pensei que não seria bom se eu fosse lembrado dessa maneira. Eu estava pensando que talvez eu não conseguisse acompanhar o nível dos outros membros, por isso eu pratiquei com tudo que eu pude.

Isso quer dizer que você não se sentia capaz de se encaixar na perspectiva do the GazettE pois este já tinha 1 ano de história?
Isso também é um dos motivos, e em termos de habilidade eu ainda sentia que eu estava indo mal, pra ser sincero. O baterista anterior era bom. Ainda com essas pensamentos, eu pratiquei o máximo que pude. Por todas essas conquistas eu disse a mim mesmo que eu teria que conseguir tempo para isso, mesmo que eu não possa. [ Confuso xD Mas eu acho que ele quis dizer que depois de finalmente ter conseguido entrar pra banda, ele queria praticar bastante pra compensar o 1 ano de experiência a mais que a banda tinha em relação a ele] No entanto, não é como se nenhum resultado fosse aparecer se eu ficasse ansioso.

Verdade, porque não importa quanta experiência uma pessoa tenha em uma banda, quando ela entra numa nova banda, haverá membros diferentes, e você vai começar de novo do zero.
Eu realmente penso o mesmo. Quando há um novo membro em uma banda, todas as atenções caem sobre ele. Falando nisso, quando eu entrei, eu frequentemente ouvia comentários do tipo: “O baterista anterior era melhor, não é melhor você desistir?”

Sério?
Sério. Sinceramente, eu estaria mentindo se eu dissesse que eu não ligava para estes comentários, mas então eu procurei dizer a mim mesmo que esses comentários iriam parar logo. Era apenas algo inevitável.

Kai-kun, você é complacente…
Bem, como eu posso dizer…? Eu acho que eu não sou tão forte assim. Mas, eu posso ter sido treinado pra ser complacente. Naquela época, eu não tão sincero ao dizer pra mim mesmo “Isso é algo inevitável”. Eu só continuei pensando que se eu der o melhor de mim, os resultados vão aparecer algum dia. Por isso eu dei o melhor de mim. Mesmo pensando em como era lastimável eu não ser tão bom em questão de habilidade, eu continuei foca em superar o baterista anterior nisso. Para uma pessoa, quando alguém lhe diz que preferia à outra pessoa, é triste mas é algo inevitável. Se você der o melhor de si, um dia seu som irá chegar a altura, e eles irão aprová-lo.

Então todos esses pensamentos são o que você sentiu naquela situação?
Sim. Era nisso que eu pensava naquele momento. Comparado a dizer isso de uma maneira indireta, eu realmente não gostei quando os outros membros me disseram diretamente “Não é o tipo de som que queremos…”. Contudo, eu não queria deixar nenhum tipo de ‘remorso’ quanto a fazer parte da banda. Então eu me lutei contra essa pressão por um tempo. Acho que sou um tanto quanto fraco neste sentido. No entendo, pensando positivo quanto a isso, eu não gosto de desistir. Você não pode fazer nada se simplesmente não dá certo no final. Eu acho que o mais importante é, antes de tudo, você tentar.

Provavelmente todo mundo já sabe sobre isso, mas por que Kai-kun se tornou o Líder mesmo tendo entrado depois?
Até então não havia um líder definido. Mas foi minha idéia de que ter um líder na banda seria bom, havia algum tipo de sentimento instável que dizia que um Baterista como Líder seria bom. Independente do som ou da posiçao, o baterista normalmente fica atrás com a funçao de dar suporte à banda. Com isso em mente, na hora em que eles tentávam decidir um Líder, eu apenas levantei minha mão voluntariamente.

Então você candidatou-se voluntariamente?
É. Mas no começo eu tinha ideia do que eu deveria fazer, e eu era Líder só no nome (ou seja, ela não fazia nenhum ‘tarefa de líder’ ), mas atualmente eu acho que eu venho mostrando alguma vocação para ser líder.

Quando você ouve a palavra “Líder”, deve ser bom. Mas você tem sempre que considerar os pensamentos de todos, isso pode ser algo problemático. Colocando desse modo, pode-se dizer que você é quem sempre terá que fazer coisas que ninguém gosta de fazer.
Sim. Eu tenho que botar tudo em ordem. Porque eu quero que todos possam se concentrar em suas funções. Mas é claro que isso não significa que eu tomo todas as decisões sozinho, todos decidem juntos. Na verdade, eu sinceramente só espero que eu possa colocar as coisas em ordem. Eu não sou o tipo de líder que está sempre fazendo coisas, e eu acho que seria bom ter um líder que pensa e organiza de acordo com os desejos de todos.

Entendo. Naquele tempo você pensava “Eu tenho que melhorar. Se eu não der o melhor de mim eu ficarei para trás”… E agora já se passaram 6 anos. Há alguma coisa que mudou nesse seu modo de pensar?
Hmm… Pensando sobre o meu desenvolvimento durante todo esse tempo, eu diria que não continuo exatamente a mesma coisa, mas quanto ao meu modo de pensar, ele não mudou. Porque ainda agora eu continuo com o pensamento de que “se eu não der o melhor de mim, ficarei para trás”. Eu geralmente tento evitar situações desagradáveis [“Normally I do have a sense of impending danger” a tradução ao pé da letra poderia ser estranha, mas a frase qe eu coloquei conserva o sentido 8D ] De alguma maneira, o estranho é que eu desejo o reconhecimento dos outros membros acima de qualquer outro. Independentemente do que os outros dizem, as pessoas de que eu mais quero ganhar aprovação são os outros membros. Isso é algo que não mudou em mim desde o passado.

Entendo. Talvez você se sinta assim por ter entrado no the GazettE 1 ano “atrasado”?
Pode ser que sim.

Então se Kai-kun estivesse na banda desde o começo junto com os outros 4 membros, provavelmente você não pensaria assim?
Se eu estivesse na banda desde o início, é possível que eu pensasse de uma maneira totalmente diferente da que eu penso agora. Porque, assim eu me sinto muito feliz quando eles me dizem “Me sinto feliz por ter o Kai como baterista do the GazettE”. É claro, eu me sinto feliz quando os fãs me dizem isso também, mas primeiramente vem os membros. Porque nós somos companheiros que fazemos música juntos, e às entregamos juntos. Se não houver essa compreensão mútua entre os membros, quando os fãs me dissessem isso, eu me sentiria como se faltasse algo.

É, você está certo. Eu me sinto assim as vezes. Sempre há mudanças de Roteiristas e Editores. Porque se o Editor for capaz se comunicar bem com nós, tanto na seleção dos artistas quanto nas suas intenções, como: “Eu quero fazer este tipo de página!”, então nós poderemos dizer: “Ok. Entendido! Deixe comigo!”. Mas se nesse caso houvesse muita indecisão, eu acredito que nós não seríamos capazes de mostrar aos leitores o que eles querem ver. Se os conceitos do Photoshoot acabam desviando do roteiro original, vai acabar virando duas coisas diferentes, e novamente eu acredito que assim não poderíamos mostrar ao leitor o que queremos. É o mesmo no seu caso, não é?
Sim. Eu realmente posso entender isso. Eu acredito que o relacionamento é algo muito importante a se considerar quando as pessoas vão trabalhar juntas em algo. Se eles podem trabalhar bem juntos, alguma coisa boa virá disso. Porque eu acredito assim pode-se produzir algo que poderá transmitir uma mensagem aos outros.

A propósito, o que Kai-kun pensa sobre o novo single “DISTRESS AND COMA”?
Sobre “DISTRESS AND COMA”? Dessa vez, as letras e melodias de todas as 3 músicas do single foram feitas por Ruki. Mas quando eu ouvi às 3 músicas, pra mim, não houve nenhum sentimento novo. Pra mim elas são músicas que soam como “músicas do the GazettE”. Para “DISTRESS AND COMA”, eu penso que tem um som característico do the GazettE, e a música é tão forte quanto seu título. Mas não é como se ele estivesse sendo preguiçoso [ O Ruki ? A música ? o.o’ tá, essa eu não entendi >< ], porque você pode sentir que é muito mais profundo. Mesmo com este tipo de música, você pode achar que não há muitas mudanças, mas pode perceber que é muito mais profundo em termos de perfórmance. Sobre”HEADACHE MAN”, eu acho que a melodia é a cara do the GazettE. Mas, na parte em que temos que expressar a diferença dos motivos da “dor-de-cabeça” de um adulto da de um tolo, nós expressamos bem da maneira que queríamos, e eu senti que fizemos um progresso, e eu me senti satisfeito. Eu penso que “WITHOUT A TRACE” é bem a cara do Ruki tanto em termos de letra, quanto melodia. A música e a letra foram escritas para um fã que faleceu, mas é mostrado que a morte não precisar se tratar apenas de tristeza. Sobre essa parte, é realmente a cara do Ruki. Mesmo os outros membros tendo escrito letras com quase o mesmo significado para essa música, não era exatamente a mesma expressão. Eu realmente acho que é algo que apenas Ruki poderia fazer.

Eu ouvi dizer que quando “WITHOUT A TRACE” ainda estava na melodia original, eles perguntaram se todos queria trabalhar nela, e Aoi-kun foi o único que não levantou a mão.
É verdade. Quando ainda estava na melodia original, ela era muito fraca. A demo de Ruki naquela hora ainda não estava até um certo ponto completa, e ele nos explicava frequentemente como ele queria que ficasse. Além disso, nessa música também há instrumentos de corda, então com certeza não seria bom se o tempo ficasse atrasado. E há também uma troca do Violão para a Guitarra, e da Guitarra de volta pro Violão, então mesmo que nós pudéssemos fazer uma performance perfeita em termos de fonte de som, seria muito difícil de se fazer durante um Live. Eu acredito que Aoi estava preocupado com essa parte. Eu acho que ele deve ter considerado que isso seria difícil de incorporar num live, e não que fosse uma questão de ele gostar ou não da música.

Entendi. Mesmo assim, devia ser um grande prestígio visualizar a cena [que é difícil para dele] quando estava na fase da melodia original. Eu vi entrevistas que diziam que vocês não conseguiram fazer as músicas a tempo, entrevistas onde foram dadas apenas as músicas na melodia original para ouvir. Entretanto, é difícil de imaginar o produto completo dela, e nós estávamos apreensivos quanto a isso. Porque na hora em que nós ouvimos a música completa, nós ficamos realmente surpresos. [ Pelo que eu entendi, basicamente ele quis dizer que eles ouviram a melodia original das músicas, e quando ouviram a versão completa, nem parecia a mesma música. Por isso eles ficaram surpresos…]
Verdade. as vezes é difícil de imaginá-la quando ela ainda está na melodia original. Mas, separadamente dos outros hábitos, porque quando os outros dizem “O que devemos fazer com isso?”, e digo: “Vamos fazer deste jeito.”, este clima de harmonia vai se formando, e daí pra frente eu acho que é tudo questão de tempo [até terminarem a música]. O compositor fica responsável por gravar a primeira faixa da sua música, e os outros 4 membros ficam responsáveis por elaborar o resto da música usando-a como base. Sério, esse é o lado bom de ter uma banda.

Você está certo. E quando Kai-kun está fazendo suas próprias músicas, onde você busca inspiração?
Quando eu estou fazendo músicas, eu só vou fazê-la se ninguém mais puder fazê-la. Por exemplo, se eu souber que “Essa é o forte do Uruha” ou “Esse é o forte do Aoi” eu já passo para eles. Porque se este é o forte de uma pessoa, o resultado com certeza será bom. Eu não seria capaz de progredir se eu não entendesse isso. É difícil pra mim, poir eu não toco muito guitarra, então mesmo que eu imaginasse “Eu quero expressar a melodia na guitarra desse jeito”, não sairia perfeito. Isso é um problema pra mim. Quando eu estou fazendo música, eu penso que não é só porque eu sou um baterista, que eu deva praticar apenas na bateria. Pra falar a verdade, agora que eu penso nisso, Música é algo muito sofisticado. (risos)

Quando Kai-kun está trabalhando em uma Demo, você é do tipo que quer completar a música inteira?
Depende da ocasião, mas recentemente eu estive inserindo as partes do Baixo sozinho. O mesmo para as Guitarras, mas o Baixo é muito difícil (risos). Não tanto, mas se eu tivesse que completar a demo eu não conseguiria mostrar totalmente minha própria imagem com a música. Assim eu fico num dilema. Porque quando eu toca os outros instrumentos sozinho, eu realmente respeito os outros membros (risos). Sério, é difícil.

Reita-kun também disse a mesma coisa (risos). Ele é ótimo no baixo, mas atualmente tem praticado bastante Guitarra também.
Ahahaha. Mas eu realmente acho isso algo bom. Porque se você realmente entende sobre algo (nesse caso, o instrumento), sua perspectiva sobre isto irá mudar. Não importa como você toca a bateria, sempre vai sair som. É bem simples. (risos)

É verdade, não é mesmo ? Eu soube que durante o processo, os bateristas ficariam tipo: “Hey você, neste trecho é impossível encaixar 4 batidas! Como diabos eu poderia fazer isso!” (risos)
Bem, isso é verdade (risos). Tem isso também, mas se você escutar bem os sons, você será capaz de perceber. Porque é quase o mesmo que dar dicas. Com Guitarristas é difícil de explicar isso falando. O mesmo com o Baixo, é difícil explicar como tocar um trecho exatamente do jeito que você quer. À primeira vista, como o Baixo tem apenas 4 cordas, você pode pensar que deve ser mais fácil do que você imagina… mas é realmente complicado! Os dedos do Reita são muito, muito delicados, e eu acho que isso é uma grande proeza dele. Bem, sinceramente, eu realmente respeito tudo isso sobre os membros. Música é algo sofisticado e difícil (risos).

Ahahaha. É forte mas gentil ao mesmo tempo (risos)
Atualmente nós estamos no meio da tarefa de fazer o novo Album, e eu posso sentir a intensidade disso. (risos) Mas, pra mim, eu tenho total confiança em afirmar qual dos membros fez qual música! [ essa frase ficou estranha e não faz muito sentido com o resto o-o ] Por exemplo, eu sabia que estilo de bateria cada um queria nas músicas, ou ao menos já sabia do que eles gostavam [os gostos deles pra fazer músicas] (risos).

Isso também faz parte do “clima de harmonia”.
Sim.

Quando mais vem inspiração para as melodias, em sua mente?
Em horas como quando estou dirigindo o carro. Inesperadamente. Quando eu não estou pensando em nada, simplesmente vem à minha mente. Mas, se eu não anotar isso em uma pasta no meu celular, eu vou esquecer. Então, recentemente eu venho salvando no gravador de voz do meu celular. Há muitas! Atualmente, eu tenho salvo umas 70 mensagens dessas (risos). Mas nenhuma delas foram tranformadas em músicas ainda (risos) *pega o celular pra todos verem* Aqui. A mais antiga é de 2007, isso foi uns 2 anos atrás. É incrível (risos). Eu deveria fazer algo sobre isso (risos).

Uwaa! É mesmo! Você se importaria se eu ouvisse alguma delas?
Eu me importaria (risos). Eu não gosto delas, é muito embaraçoso. Eu nunca vou tocar isso! (risos) Eu nunca vou deixar ninguém tocar no meu celular. Se eu perdesse meu telefone, seria a pior coisa de todas. (risos) Falando nisso, um dia quando eu fui ao banheiro, Ruki tinha aberto minhas gravações e todos as ouviram, e quando eu voltei todo estavam rindo como loucos. Foi embaraçoso. (risos) Isso não foi maldade? Eu estava tipo “Sério, parem com isso…” (risos). Eu só sabia do gravador do celular porque o Ruki que me contou. Por isso ele sabia que eu tinha gravado minhas faixas no meu celular (risos).

Entendi. Mas deve ter sido difícil de criá-las. Não é como se você pudesse transformar isso em uma música apenas porque você gosta disso. Uma vez, nessa mesma linha de pensamento, Aoi-kun disse que suas raízes vem do Metal. Mas se ele usasse isso como raíz para a banda, não seria mais como o the GazettE.
Porque tem uma pessoa que é tão Metal quanto o Aoi. E se nós [ the GazettE ] nos tornássemos um Metal escandaloso, seria estranho não é? (risos)

Outra pessoa que é mais Metal? Quem é?
Uruha.

Mesmo!?
É. Ou melhor, ao invés de dizer que é sua raíz, ele realmente gosta de Guitarras estilo de Metal. Por isso precisamos que ele continue tocando pela música inteira. Do contrário seus dentes perderiam sua utilidade (risos)

Sim Sim (risos) Eh? Quem era que queria ver o Mötley Crüe quando eles vieram?
Era eu e o Uruha. Eu não realmente gostava deles até aquele momento, mas eu fui no show apenas como uma forma de “estudo”. Bem, eu acho que foi ótimo eles continuarem seguindo em frente sem muitas mudanças. De qualquer jeito, eu penso que mesmo que suas influências possam lhe dar forças para fazer suas próprias músicas, isso é algo que eu acho que eu não seria capaz de fazer.

Então você quer dizer que não seria bom ser estereotipado.
Sim, exatamente. Eu acho que fazer coisas novas é difícil, mas é exatamente o que você deve fazer. Porque não se trata apenas de fazer o que você quer. Quando eu penso nisso, eu penso em como bandas como Kagrra, são boas. Pra mim eles fazem algo que outros não fazem. Eu respeito muito eles.

Você acha que o the GazettE também é uma banda que faz isso?
Mas é diferente. Mas não importa como a melodia se parece, eu acho que a parte final (quando a música completa está feita), é que parece como o “the GazettE”.

Sim Sim. Pode parecer grosseria minha dizer isso, mas honestamente, eu sinto que no início vocês estavam seguindo para o lado mais ‘fashion’ das coisas por ser uma banda Visual Kei, não é? No entanto, o tempo passou e vocês se livraram desse estereótipo, e agora quando surgem novas bandas, vocês são usados como referência. Como: “O som deles é estilo o the GazettE”. Eu acho que isso é uma grande conquista. Porque parece que vocês criaram um novo estilo chamado “the GazettE” que ultrapassou as fronteiras do Visual-Kei.
Se é isso mesmo, eu fico muito feliz. Nós temos uma pequena sensação de que isso realmente está acontecendo. Eu acho que um estilo muito positivo está se originando disso.

 

Quais são as raízes do Kai-kun?
Minhas raízes de quando eu comecei na Música, vem do Jazz.

Mesmo!?
Sim. Minha mãe era professora de Piano. Graças a isso, eu aprendi Piano de Jazz. Quando eu ainda era uma criança, eu frequentemente saía junto com minha mãe para ver Jazz. Foi na época que eu vi e recebi o impacto da Bateria, então foi quando eu comecei a me interessar pela Bateria. Eu queria tanto tocar Bateria, que logo que eu comecei, naquela época, eu tive que ir mais devagar. Eu era realmente pequeno (risos) [“pipsqueak” ._.’ SHUISAAHISIA].Em ocasiões como assembléias de manhã, nós tinhamos que nos alinhar em filas, mas eu nem ficava tão na frente assim. Minhas mãos sempre estavam na minha cintura. (risos) Eu não conseguia alcançar o pedal da Bateria com as minhas pernas. (risos) Da primeira vez que eu comecei a aprender Bateria, eu ainda era um estudante do primário. Eu fiz isso [aprender a tocar bateria] não porque eu queria entrar numa banda, mas simplesmente porque eu queria ser capaz de tocá-la.

E quando você ‘despertou’ para o Rock?
Foi no colegial. A princípio eu estava meio hesitante. (risos) Eu fui convidado [pra tocar com uma banda] porque eles precisavam de um Baterista. Mas na verdade, eu não estava realmente interessado. Então eu continuei com eles pensando “Só vou fazer isso uma vez e nunca mais quero ser convidado denovo”. E eu fui fisgado (risos). A primeira vez que eu ouvi rock foi LUNA SEA. Eu acho que LUNA SEA é ótimo. Agora que eu penso nisso, parece que bandas de jovens gostam muito deles, eles costumam fazer muitos covers. Foi fácil entrar nisso. Ou melhor dizendo, há muitas músicas que nos fazem perceber a individualidade de uma banda. Eu percebo que durante aquele tempo, nós 5 víamos LUNA SEA como um modelo pra nós. Eu tinha uma impressão do tipo: “Ah, é assim que uma banda deve ser”. Eu estava totalmente absorto nisso, pensando em como eu queria fazer uma banda igual àquela. Eu acho isso era uma ocasião onde eu queria me destacar de todo os outros.

Entendo. Para Kai-kun, o que é a bateria?
A Bateria é um lugar onde eu posso me expressar sem usar palavras. É o que está mais próximo dos seus 5 sentidos. Para mim, é como usar os meus 5 sentidos. Eu toco a Bateria de uma maneira totalmente quando eu estou gravando e equando eu estou num Live.

Mesmo?
Sim.

Diferente como?
Quando estou gravando, eu apenas a toco monotamente (sem expressão, apenas tocando normalmente). Eu melhor dizendo, corretamente. (quer dizer, tocar o mais correto possível). É como uma meta, tocar o mais normalmente que eu conseguir. Se eu tocar muito forte ou muito fraco, vai acabar prejudicando o Baixo e a Guitarra. Eu acho que se eu não fizer isso logo no começo, não correrei o risco de fazer depois.

Verdade. Se comparar com uma casa, a Bateria seria algo como sua base.
Sim. Por isso que durante as gravações o meu papel é fazer isso o mais correto possível para que os outros membros possam acompanhar as batidas facilmente.

E durante os Lives?
Durante um Live eu uso todo meu corpo para me expressar. Eu definitivamente não pensaria em tocar certinho ou monótamente. (risos) Eu tocaria de acordo com meus sentimentos. Atualmente eu tenho pensado em coisas como “Como eu poderia fazer isso em um Live?”(risos). Como “Talvez nessa parte da música eu faça assim.” Ou “Ok, vamos colocar mais um prato aqui”(risos)

Você faz disso uma brincadeira (risos).
É porque nos Lives não importa o que você faça, não tem problema. É liberdade. (risos)

Mas, quando sua mãe te levava nesses lugares onde você viu pela primeira vez a Bateria, da primeira vez que você tocou Bateria durante o primário até agora, você tem uma relação de longo tempo com isso [a bateria]
Eu não acho (risos). Naquela época, eu pensava que como eu era muito pequeno para poder tocá-la como eu queria, eu queria tentar! Quando eu tentei, não foi divertido, e quando eu entrei no ginásio meu sonho era jogar futebol, mas quando eu passei do ginasial para o colegial, eu de-repente ganhei 20 centímetros de altura, e mesmo sendo um pouco doloroso, graças a isso eu fui capaz de alcançar os pedáis da Bateria com meus pés! (risos) Até eu realmente começar a tocar Bateria, durante o colegial, eu ainda tinha algum tipo de ligação com isso. Foi uma longa relação (risos) mas só depois que eu larguei a escola pra me dedicar à Bateria.

O que é um Live para Kai-kun?
Um Live é o lugar mais importante. E também meu lugar favorito. Se for pra falar disso, o Live é tudo. Tudo está ligado aos Lives. Porque nossos CDs estão ligados aos Lives, porque é onde nós os lançamos como músicas, e todas essas coberturas e photoshoots também estão ligadas aos Lives [porque é onde eles são intrevistados sobre seus lives], é assim que eu penso dos Lives, que eu penso porque eles são tão importantes. Porque este é um lugar para se conhecer a nossa banda. Porque eu normalmente penso em Lives como o destino final. Eu trabalho na indústria da música porque eu quero fazer Lives. Para nós é definitivamente isso. Eu me pergunto quantos Lives nós fizemos até agora? (risos) Eu acho que devemos ter passado dos 100 Lives.

Mesmo o the GazettE sendo uma banda capaz de fazer Lives num lugar com capacidade pra 20.000 pessoas, e com todos os assentos preenchidos, você continuam fazendo Lives em casas de shows não é? Se for possível vocês gostariam de continuar assim?
Sim. Porque foi o nosso ponto inicial. Porque no começo, nós achávamos que casas de shows seriam os único lugares em que conseguiríamos fazer lives. Mesmo eu estando muito feliz de sermos capazes de fazer lives em vários lugares muito maiores, pra mim, eu sinto que desde que possamos continuar fazendo nossos Lives, qualquer lugar estará bom.

Não há nenhum lugar em especial que você quisesse fazer um Live?
Tinha um tempo em que eu achava que seria melhor continuar fazendo lives apenas em casas de show. O motivo é simples, é por causa da distância entre nós e os fãs. Porque quando nós começamos a tocar em lugares maiores, eu não conseguia me acostumar à distância. Agora eu estou feliz com qualquer lugar desde que passamos tocar nossos Lives lá. Isso é apenas minha opinião pessoal, mas eu tenho uma visão ruim e eu não me dou muito bem com lugares muito grandes e eu ainda estarei olhando a todos do fundo. Eu fico: “Este lugar… é meio…”. (provavelmente quer dizer que ele não consegue enxergar direito o lugar)

Você não usa lentes de contato, nem faz uma operação para corrigir sua visão.
Não, eu não faço. É totalmente impossível pra mim ir fazer uma operação para corrigir minha visão! Bem, acho que isso não tem muito a ver, mas eu sou totalmente contra Tatuagens e Cirurgias Estéticas. Eh, de repente nós desviamos do assunto. (risos)

Bem, eu acho. (risos) Por quê? Você tem medo do bisturi?
Hmm… ou melhor, eu não acho bom machucarmos o corpo que nossos pais nos deram. De algum modo, eu sou totalmente contra isso. Mas eu acho tudo bem com piercings, afinal é apenas uma pequena agulha. Não é como se eu tivesse algo contra pessoas que fazem isso, eu só não tenho interesse nisso pra mim. Eu acho que não é certo julgar as pessoas por isso. E, desculpa, mas do que nós estávamos falando mesmo? (risos)

Dos Lives, dos Lives… (risos) Nós falávamos se não havia nenhum lugar especial em que você gostaria de tocar.
É verdade, bem, é claro é um sonho tocar em um lugar como o Tokyo Dome, mas isso não importa realmente, porque eu realmente penso que não importa o lugar, desde que possamos continuar tocando.

Entendo. E quanto a postura da banda? Há bandas que só cantam em inglês, mesmo sendo japonesas, e desenvolvem sua carreira no exterior dizendo que o Japão é sua raíz. Para o the GazettE, vocês já pensaram nessa possibilidade?
Você está certo. Eu não penso em locar nossas raízes em nenhum outro lugar senão o Japão. Mas se tratando de Lives e Tours, e queria ir aos lugares onde as pessoas nos pedem pra ir. Porque eu penso que se formos pra o exterior nós vamos realmente descobrir muitas coisas. Eu sinto que mesmo se eu não for bom nisso, está tudo bem em simplesmente seguir com isso. Honestamente, não é como se eu dissesse que eu não tenho interesse em no exterior, mas para nós, nós realmente não pensamos em fazer lives em lugares que todos estão fazendo. Não que sejamos contra as tendências atuais, é mais como se nós queremos fazer coisas que os outros não fazem.

Eu acho que essa é a parte boa do GazettE. Eu acho que é muito importante difundir seu caminho afora, mas não é bom se você for influenciado pelas várias coisas que você presencia. Eu acho que para começar, as pessoas devem andar pelo próprio caminho confiantemente.
Você está certo. Eu sinceramente também penso assim. Eu não quis ter uma banda só pra chegar ao Topo. É claro, na medida do possível, eu quis uma banda porque eu quis que muitas pessoas escutassem às músicas. Afinal, não teriam Lives se não tivessem pessoas que quisessem vê-los. Mas mesmo pensando em bandas que estão no topo, eu acho que há bandas que também são legais. Honestamente, eu penso que esse é o tipo de banda que eu quero. É por isso que eu não estou interessado em coisas como ser o Número 1. É estranho, não é?

Sim. Porque você realmente não parece querer nada com isso. Eu acho que isso é a prova de que você está encarando a Música de uma maneira verdadeira. Eu também não acho legais as pessoas que estão sempre gananciosamente tentando ser O Número 1 ou querendo apenas ser famosos.
Não é bom se você dá o melhor de si imprudentemente só para alcançar um objetivo ganancioso.
Eu entendo, completamente. Naturalmente, eu quero dar o melhor de mim nas áreas em que eu preciso melhorar.

A propósito, eu gostaria de ouvir a sua opinião quanto a esse Photoshoot, mas qual era mesmo o tema? Eu tive a impressão de que havia um certo sentimente do Solidão no ar.
Exatamente! É isso. Eu quis fazer-lô com Solidão. Era isso que eu queria expressar. Por isso eu acordei as 5 da manhã e vim aqui pra dar o meu melhor! (risos) Eu quero dormir! Cá entre nós, eu fiz isso no meio do Photoshoot. (risos) Quando a primeira metade dele havia terminado. Eu acho que isso é algo que todos têm. O sensação de Solidão. Eu me dediquei, e expressei isso.

O que levou você a querer expressar Solidão agora?
Sim, não houve nada em específico que levou a isso, mas eu pensei muito. Eu acho que em contraste com esse sentimento de Solidão há a existencia da ‘Unidade’.Eu acho que as pessoas sentem medo quando estão sozinhas porque sabem como é o calor das pessoas quando estamos em grupo. Isso é o que eu quis expressar nas fotos.

Entendi. Mas você não acha que toda essa Solidão no mundo pode ser usada pra representar a sociedade atual? Parece que no passado não havia nada como “morrer sozinho”. Eu acho que com a adesão da Nuclear Family na sociedade, esse tipo de coisa acontece. [ Nuclear Family < achei melhor não traduzir o termo. Não tem nada a ver com armas nucleares. É uma família ‘básica’, constituída apenas por pessoas que são parentes de sangue, como Pai>Mãe>Filhos.]
É verdade. Porque a “Solidão” do mundo por si só, já nos diz que é triste. Mas é oque eu acabei de dizer, as pessoas sentem medo quando estão sozinhas porque elas conhecem o calor envolvente das outras pessoas. Mas se ela estiveram sempre sozinhas, é possível que ela não conheçam esse sentimento de solidão, tristeza e isolamento. Porque eles estiveram sempre sozinhas. Por isso que, vende do outro lado, se você sente Solidão no Isolamento, é porque você sabe como é estar rodeado de outras pessoas. Eu acho que se alguém se sente muito só, isso prova que esse alguém não se esqueceu do Coração, que é o mais importante.

Entendi.
É. Se você se sente solidão, significa que você não está sozinho. Porque humanos definitivamente não podem viver sozinhos. Eu não quero dizer nada veemente, mas aquelas crianças crianças valentonas das escolas, mas elas definitivamente não estão sozinhas. O sentimento é de solidão, essa é o prova. É por isso, eu quero acreditar. Eu também quero dizer o mesmo para os fãs. Eu recebi muitos fanmails, e sério, ninguém está sozinho. Recentemente, eu estava lendo as cartas dos fãs e há muitos deles que têm parecido muito pessimistas. É por isso que, eu não quis dizer exatamente isso, mas eu acho que seria ótimo se daqui pra frente eu pudesse sentir algo. [acho ele quer dizer ‘saber melhor como os fãs se sentem’] Na vida, uma hora ou outra você pode mudar seu ponto de vista, mas se você realmente pensa e compreende isto, será mais divertido. Eu ficaria feliz se essas minhas palavras de alguma forma alcance eles. Pessoas que estão sempre tentando parecer fortes talvez não pensem assim, mas se ao menos um pouquinho, se você tentar mudar seu ponto de vista e olhar adiante, você com certeza verá algo. Eu realmente acho uma pena pessoas que tentam domar a própria vida, é um desperdício. Eu entendo que não adianta nada simplesmente falar de qualquer jeito, e é realmente difícil colocar isso em palavras, mas… Mas com certeza, coisas ruins sempre vão continuar a acontecer. Porque para pessoas que já são gratas simplesmente por estarem vivas, a felicidade com certeza as aguarda.

Você tem razão. Por menor que seja, se você sente felicidade, é a prova de que você é grato por estar vivo. Pode ser algo bem pequeno, mas até quando você come algo e acha delicioso, isso já é meio que um tipo de felicidade.
Sim. Hmm… Isso é difícil de expressar em palavras. Mas colocar isso em palavras, pode até parecer uma mentira. Eu me pergunto porque. Talvez porque isso seja algo que simplesmente não possa ser dito com palavras. Eu acho que, não importam se são fotos ou músicas, provavelmente elas foram feitas justamente para dizer esse tipo de coisa às pessoas. Naturalmente, em “WITHOUT A TRACE”, se tivessemos que expressar isso em palavras, seria com essa música. E Ruki transformou as palavras que ele queria transmitir a todos na letra dessa música.

Agora, quando eu penso no que Kai-kun disse, eu lembro de “WITHOUT A TRACE”.
Eu sinto o mesmo que você quanto a WITHOUT A TRACE. É por isso que eu não quis fazer fotos alegres só deixar as pessoas que as vissem contentes. Eu quis fazer uma ligação com o que o Ruki disse em Without a Trace. Eu também não quero botar pressão nos outros apenas dizendo irrespensavelmente: “Dê o melhor de si”. É fácil dizer aos outros para darem o melhor de si, e simpatizar com eles. Mas as coisas não devem ser desse jeito. Pode significar muito dizer para alguém “Está ótimo. Dê o melhor de si.” mas isso seria muito irresponsável…… Não é exatamente isso que eu quero dizer… Como eu poderia dizer… Eu quero dizer adequadamente como eu me sinto. Mas, se eu dizer isso, há uma diferença muito pequena entre essas duas. É por isso que nós não podemos ignorar isto. Enquanto há fãs que estão se sentindo sempre sozinhos, para nós, mesmo sendo difícil de explicar isso a eles, nós não podemos fugir disso. É claro, é possível que seja difícil explicar essa mensagem para eles, podem ocorrer maus entendidos, mas eu sinto que nós devemos continuar seguindo em frente. Essa é a minha opinião. É por isso que todos nós devemos continuar nos esforçando daqui pra frente. Eu não posso ter certeza de que possamos ajudar a todas as pessoas, mas enquanto eu for capaz, estarei empanhado em dar a todos Música e letras com todo meu esforço.

Como Kai-kun era, então?
Você quer dizer durante a época em que eu era um estudante? Eu era sempre positivo desde muito tempo atrás. Eu acho que talvez seja porque eu fui criado em um ambiente abençoado. Houve uma época em que eu presumia isso. Mas agora, eu sou muito grato aos meus pais. Algumas pessoas podem ter me dito coisas como “Pra alguém como você que vive em um ambiente avantajado, o que você que está dizendo? Como se você fosse alguém melhor e me entendesse.”… Eu não dizia nada sobre isso. Se me dissessem “Se você não passou pelo mesmo que eu, não diga algo tão irresponsável”, eu não diria nada sobre isso. Mas eu sofria com valentões desde pequeno. E até agora também. (risos) Alguns podem dizer isso também é ser valentão, mas pra mim não é. Mas bem, mesmo que fosse, seria de uma maneira mais light, não é. Com certeza. Eu acredito que haja um jeito de ser forte sem viciar nisso. Mas, isso é o que eu acho: que os valentões são muito desprezíveis. Eles não entendem a pessoa que está sofrendo a dor. Só por isso eu já tenho pena dele dos valentões. Mais pena do que aqueles que apanham. Porque os que sofrem com isso, conhecer a dor, e eu acredito que eles não vão causar a mesma dor aos outros. Há pessoas que entendem da dor dos outros. Eu acho que apenas isso já é o suficiente para fazer alguem ficar feliz.

Você está certo. Mas é bom poder dizer isso aos outros, não importa se para os valentões ou para os que sofrem com isso. A felicidade que você sente depois de dizer isso é realmente indescritível.
Sim. Não importa se são as cartas ou os Lives, nós seríamos capazes entender uns ao outros.

Recentemente, eu fui à trabalho a um Live de um artista que teve um aumento repentino na sua popularidade, e naquela dia, eu voltei pra casa com um sentimento bem triste… Mesmo as pessoas estando todas suadas e cantando e tocando imprudentemente a música, alguém foi pra frente do palco e ficou se tocando todo com as mãos enquanto uma parte dos fãs dava gritos agudos tipo “Kya―! Kya―!” e chacoalhavam as mãos. Então ele gritou: “Agora mesmo, vocês me viram! Yeah! Vocês me viram! É!”. No final eu simplesmente não tinha conseguido ouvir a letra da música. E mesmo estando no meio de um MC sério, ele de-repente diz coisas do tipo “Vamos nos casar!”, isso tudo foi bem perturbador… Depois disso eu estava me sentindo mal, e voltei sem me encontrar com as outras pessoas. De algum modo, eu apenas achei que não havia nada para falar com eles e fui embora. O que você pensa desse tipo de artista?
Hmm… *pensando muito* Sobre isso… É um assunto muito delicado… É complicado…

Ah, Kai-kun apenas não consegue ver isso porque tem problema de vista!
Isso foi pra mudar completamente de assunto (risos), ou você está tentando voltar no outro assunto logo agora? (risos) Bem, isso é bem complicado. Ou melhor, eu não posso dizer nada sobre isso. Ou melhor ainda, eu queria poder dizer algo a eles. Estou pedindo demais, não é. Está tudo bem se for divertido… Eu acho, no fim eu ainda estou tentando achar um jeito certo de me expressar… Eu sinto pena pelos fãs que se esforçaram para ir até para ouví-los… Isso foi ruim para eles. Eu não estou tentando negar esses ídolos, e eu não estou tentando me tornar um ídolo também, então ao invés de ouvir esse “Kya―! Kya―!”, eu ficaria mais feliz se eles dissessem que eles estão tentando dar o melhor de si para ouvir nossas músicas e se divertirem, mas também é errado forçá-los a ouvir desse jeito… é complicado.

Isso é verdade. Então, qual é a coisa que mais causa impacto no Kai-kun? Tudo bem se forem pessoas.
Não só eles me causam impacto, como eu causo impacto a eles, e estes seriam os membros. Eu normalmente recebo impacto dos membros. Eu sempre escutei os conselhos dos fãs, dos staffs e outras pessoas, mas no fim as palavras que causam mais impacto são as dos outros membros. Todos podem me dizer coisas, mas quando é algo dito por um dos membros da banda, é algo completamente diferente. Eu geralmente recebo bons conselhos deles. Porque eles são as pessoas que mais me entendem, quando me dizem a mesma coisa há um efeito palpitante. Não é só um “Hmm, você tem razão.”, é mais como se a maioria das coisas que eles dizem são compatíveis com o que eu penso. Eu pensaria como “Eles realmente me entendem sobre isso”.

Sim. É ótimo ter companheiros que aconselham uns aos outros mútuamente. Comparando com o Kai-kun do the GazettE, há alguma diferença em se tratando da sua determinação quando você está sendo apenas uma pessoa normal?
Deixe-me ver. Oh, pra dizer de uma maneira bem simples, o Kai do the GazettE é uma pessoa que se expressa, é a outra parte do meu eu real que apenas aceita. O Kai do the GazettE não pode simplesmente aceitar tudo (quer dizer que ele precisa defender seu ponto de vista). É a parte de mim que pode me fazer expressar o que quero (eles quer dizer que ele é tipo “treinado” pra ter esses 2 lados, não que ele nasceu com isso). Eu normalmente me sinto assim. E eu estou consciente disso.

Entendi. E agora?
Agora? Agora eu sou só uma pessoa normal (risos). Se eu olhasse pro Kai do the GazettE com a perspectiva do meu eu real que aceita aos outros, eu com certeza acharia que ele (o Kai do the GazettE) é alguém sem nenhum ponto fraco.

Como uma pessoa normal, o que você acha do Kai do the GazettE? Você gosta dele? Ou você não gosta dele?
Eu gosto dele. Tudo nele.Por que dentro de mim, sinto como se o Kai do the GazettE fosse a pessoa ideal. Porque não seria exagerado dizer que é o Kai do the GazettE que expressa minhas próprias ideias.

Então você gosta muito de você mesmo.
Eu gosto muito de mim mesmo. (risos)

Vice versa, e se você olhar para você mesmo na perspectiva do Kai do the GazettE?
Provavelmente, eu acharia que ele é um humano com muitos pontos negativos. (risos) Mas bem, eu venho pensando que é bom o meu eu real não ser perfeito. Não importa se é bom ou ruim, eu iria aceitá-lo de qualquer jeito. E provavelmente, como eu o aceito eu também aprendo com ele.

Sim.
Ou melhor, já que o Kai do the GazettE é o ideal, é possível que eu vá precisar de um outro eu para aceitá-lo, e já que há um eu que aceita, há a necessidade do Kai do the GazettE (perfeito) de estar aqui.

Este é um ótimo relacionamento.
Sim. É verdade, eu também acho isso.

Então, para o Kai-kun: o que é o the GazettE pra você?
O que the GazettE significa pra mim? É difícil dizer isso numa palavra. Eu me pergunto o que é isso? Para mim, the GazettE é… isso é difícil. Parece uma pergunta fácil de responder, mas é realmente difícil. O que o the GazettE significa pra mim, eu me pergunto.

Se o the GazettE simplesmente desaparecer um dia, o que você faria?
Bom, se isso acontecesse, só sobraria eu (o Kai real) que acabaria aceitando. (risos) Por favor me poupe disso. (risos)

Ahahahaha. Foi uma resposta inesperada, que se tornou cômica. (risos) É verdade, isso seria um problema, ter o equilíbrio desfeito. (risos)
Sim. (risos) Meu equilíbrio não poderia ser restaurado. (risos)

Isso é estranho. Ou melhor dizendo, você simplesmente aceitaria.
Sim sim. (risos) Eu estaria em encrencado se eu não pudesse mais me ‘separar’. Se eu sou capaz de fazer o meu melhor até agora, é porque o Kai do the GazettE está presente. (risos) Se ele desaparecesse eu estaria com problemas, meu equilíbrio realmente seria desfeito. (risos) Porque normalmente dentro de mim eu penso: “Está tudo bem. Porque se eu falhar, o Kai do the GazettE fará algo quanto a isso.”

Entendi. Você realmente estabeleceu um bom senso de equilíbrio.
É por isso que, pra mim, não importa se é o Kai do the GazettE ou o the GazettE, é como um pilar central.

Um pilar central, entendi. Eu tenho uma pergunta que eu queria fazer.
Qual é?

Quando você está fazendo músicas, é qual parte de você?[quer dizer se as músicas são feitas na perspectiva do Kai do the GazettE ou do Kai real]
Quando eu estou faendo músicas, seria a parte que aceita. O meu eu normal. É hora quando sou eu de verdade. Eu continuo aceitando as coisas, e eu quero colocar todos os impactos que eu receber nas músicas, é por isso que eu sou eu mesmo quando estou fazendo músicas. Mas depois que a música já está pronta, e eu vou mostrá-la para os outros membros, é o Kai do the GazettE.

Sim Sim. Quando você está fazendo músicas é o seu eu real, e quando você a mostra a alguém, é o Kai do the GazettE que é o responsável por se expressar.
Sim Sim. De alguma forma, eu acho que é como se eu trocasse automaticamente de modo.

Para o Kai do the GazettE, qual é o seu objetivo daqui pra frente?
Meu objetivo de agora em diante é isso. Meu objetivo de agora em diante é lembrar de como eu sou.

Qual parte de si mesmo?
As duas. Eu quero ser como o meu eu verdadeiro, porque eu acho que é bom eu sempre poder lembrar como eu sou, e o Kai do the GazettE, eu também acho que seria bom poder continuar como ele.

Sendo mais específico, o que você quis dizer com “como o meu eu verdadeiro”?
Poder continuar sendo como sou, sem mentir. Eu acho.

E agora, seus objetivos para o the GazettE?
Eu cho que é o mesmo pra essa, também. Eu espero que o the GazettE fique como está, e continue sem nunca mudar. Se nós pudermos fazer isso, tenho confiança de que vamos ficar bem. Se nós focarmos nesse pensamento, eu sinto que seremos capazes de realizar qualquer coisa que quizermos.

Entendo. Isso é ótimo, você é forte. Agora mesmo quando estávamos falando sobre aquele Live, isso não tem muito a ver com seus objetivos, mas quando você pensa sobre seus objeivos, parece que é simplesmente a sua fé que faz com que aconteçam. Como agora.
Sim, eu definitivamente concordo.

Mesmo Aoi-kun tendo dito coisas como “Meu objetivo é definitivamente Suidoubashi”. [Suidoubashi é outro termo para o Tokyo Dome]
Ahahaha. Suidoubashi. Ele quis dizer Tokyo Dome. Este com certeza é um dos objetivos, também. Mas se o the GazettE mudar por ir ao Tokyo Dome, ou apenas se, nós chegarmos ao Tokyo Dome e eu pensar: “o the GazettE mudou”, eu vou com certeza odiar isso, eu não poderei perdoar isso. Eu iria com certeza tentar evitar que isso acontecesse. Eu quero tentar evitar isso.

Em outras palavras, você quer dizer “Eu espero que o the GazettE fique como está, e continue sem nunca mudar. Se nós pudermos fazer isso, tenho confiança de que vamos ficar bem”.
Sim. Se nós tivermos que mudar para alcançar nossos objetivos, é melhor ficarmos longe disso. Comparado a isso, eu acho que ficariamos muito melhores sem mudar.

É verdade.
Sim. Por isso que, enquanto miramos Suidoubashi como objetivo, eu acho que devemos seguir nossa trilha original calmamente, e continuar cumprindo as metas do the GazettE firmemente. E daqui a 5 ou 10 anos, quando olharmos pra trás do ponto inicil, veremos que nós 5 ainda somos capazes nos expressar do mesmo jeito que antes. Esse é um objetivo do the GazettE como banda, um objetivo do Kai do the GazettE, e um objetivo do meu eu verdadeiro. Eu penso que eu quero continuar sempre causando impacto nos outros, e não me fundir a eles. E assim nos tornarmos uma banda totalmente única.

Leave your Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: