and posted in Entrevista, Tradução

Esse é um programa de TV em que Uruha e Ruki apareceram. Foi a primeira vez deles nesse programa, como dará pra perceber pelo que a apresentadora, Nagasawa Nao, fala. Essa foi a apresentadora que conseguiu pra eles a parceria com a Gemcerey, que gerou uma linha de jóias da banda. Esse programa deve ser de 2006~2007.
Vocês podem baixar esse programa AQUI.

Créditos:
Inglês: Shattered-Tranquility
Pt-Br: Shizu @ MH
Revisão: Mari @ MH

Comentários entre [ ] são da tradutora do inglês
Comentários entre ( ) são das brasileiras


Eu agora irei apresentar os convidados e hoje; Dois membros da tão popular banda de visual-kei, the GazettE!
Ruki: Sou o vocalista, Ruki.
Uruha: Sou o guitarrista, Uruha.

Eu sempre ouço suas músicas, e assisto vocês na TV, então estou muito feliz por ter a chance de conhece-los!
Uruha: Muito obrigado.
Ruki: (risos)

Eu não estou mentindo!
Ruki: Oh, sério?

Você olhou para mim como se eu estivesse mentindo.
Ruki: Bem, sim.

É claro que não! Eu sempre gosto de assisti-los
Ruki & Uruha: Muito obrigado.

Você se encaixa com o humor do meu café muito bem hoje!
Ruki: Sim, eu acho que fizemos bem. Fiz bem em não ter vindo com uma camiseta! (Ruki usou terno nesse programa)

Mas mesmo se tivesse, você provavelmente teria passado alguma outra imagem irritada.
Começando pelo início, como a banda ‘GazettE’ surgiu?

Ruki: Estávamos todos tocando em diferentes bandas na época, perto de Yokohama, e nós já sabíamos um do outro.
Uruha: Nós nos conhecíamos e respeitávamos uns aos outros [como músicos].

Oh, então vocês não se viam como rivais?
Uruha: Não rivais, não. Ah bem, mas havia uma parte de mim que tinha inveja (gestículando para o Ruki) [*Eu acho que ele quer dizer com inveja da ex-banda do Ruki, não tanto do Ruki]
Ruki: Então, sabíamos nossos rostos, e éramos parecidos, então nós nos juntamos e decidimos formar uma banda.

Vocês desistiram das bandas anteriores então?
Uruha: Sim.

Quem foi a primeira pessoa a ter essa ideia?
Uruha: Bem, eu estava na mesma banda do nosso baixista Reita na época, e como só havíamos nós dois, nós pedimos para o Ruki se juntar à nós. Estávamos meio que esperando por sua antiga banda se separar.
Ruki: (rindo) Sim, vocês estavam!

Então, depois de sua banda se separou vocês se reuniram junto com os outros membros do GazettE?
Uruha: Ur… Daí… –
Ruki: – nós formamos uma banda diferente.
Uruha: Isso foi quando eu conheci Ruki. Quando essa banda chegou ao fim, eu, Reita e Ruki fomos os únicos que sobraram, por isso, procuramos mais membros e formamos o “Gazette”.

Qual é a origem do nome da sua banda, “Gazette”?
Ruki: Primeiro, nos disseram que ter “Ga, gi, gu, ge, go” [fonética japonesa] no nome da sua banda, era algo bom por serem sons mais fáceis de se lembrar… Primeiro, nós estávamos pensando no nome “Gaze”, mas foi tipo, “O que isso significa?” E na época, usávamos fitas demo e fitas cassete e… pensamos “o que acham de ‘Gazette’?”

Ah, vocês tiraram isso de fita ”cassette”? [Em japonês, “fita cassete” é “kasetto”, que tem a mesma pronuncia que “gazetto” tirando a primeira sílaba]
Ruki: Não existe um significado real pra isso, de verdade. Nós escolhemos “Gazetto” pelo som. E, em seguida, meio que houve uma espécie de significado pra isso… Nossa banda queria fazer um som como o de uma fita cassete que explodiu [risos] Não sei que tipo de som que seria!

Todos os membros se dão bem?
Uruha: Nos damos, sim.

Vocês vêem uns aos outros quando não estão trabalhando?
Ruki: Nos dias de folga? Bem… Nós estamos juntos quase o tempo todo.

Porque estão trabalhando?
Uruha: Nós realmente não temos tempo para nós mesmos –
Ruki: – Isso não é verdade-
Uruha: – Oh não, isso não é verdade [risos]
Ruki: Eu não gostaria que fossemos tão próximos! (risos)
Uruha: Aw, eu também acho que não!
Ruki: Eu realmente também acho que não! (risos)

Mas eu acho que vocês estão juntos mesmo “fora do escritório”, como quando estão compondo, o que significa que vocês passam um bom tempo juntos, certo?
Ruki & Uruha: Isso mesmo.

Vocês compõe todas as músicas vocês mesmos?
Ruki: Sim.
Uruha: (risos)

”Sim?” Essa foi uma maneira inesperadamente fofa de dizer isso! [Ele tentou dizer “un” em japonês o que basicamente significa “é”, mas ele prendeu a língua e o que saiu foi “fun”]
Ruki: Nós compomos juntos – bem, alguém compõe uma música e nós trabalhamos daí em diante, o que viemos fazendo desde o passado.

A propósito, quem é o líder da banda?
Ruki: O líder?
Uruha: O líder é, bem… –
Ruki: – o menino que toca bateria, eu acho.
Uruha: O “menino que toca bateria?”? (risos)
Ruki: O nome dele é Kai, e eu acho que ele faz o papel de líder. Ele é o mais…-
Uruha: – bem, como um líder.
Ruki: – seguro, eu acho.

Isso significa que Kai passa pelas músicas e decide, “Ok, nós vamos usar essa depois”?
Ruki: Não, isso não acontece (risos)

Não acontece?
Ruki: É mais quando todos os membros da banda estão falando, e as coisas ficam fora de controle que ele… (para) (vira pro Uruha) Ele faz algo assim?
Uruha: No passado, ele meio que montava um cronograma… Bem, não um cronograma –
Ruki: – Tipo nosso Manager? (risos)
Seu Manager? Quando ele é seu baterista?!

Logo que vocês formaram o GazettE, vocês passaram por algum tipo de luta? Ou há alguma lembrança (ruim) que ficou em vocês?
Uruha: Logo que formamos, tudo pelo que passamos foram lutas.

De qual maneira?
Ruki: Não haviam muitas pessoas que iam nos ver [tocar], algo assim.
Uruha: Isso. Quando o GazettE começou, nós dificilmente eramos notados.
Ruki: Não, ninguém notava!
Uruha: Sim, ninguém!

Verdade?
Ruki: Era tipo, “Oh, é aquela galera [das bandas anteriores] que acabaram se reunindo e formando outra banda”, certo?
Uruha: Mmm… Bem…
Ruki: Bem ok, eu não tenho tanta certeza, mas… Era apenas um pequeno grupo [de fãs?] E nós estávamos começando a banda com isso e…
Uruha: Nós não tínhamos muita atenção… Tipo, no nosso segundo show, não haviam muitas pessoas.

Quando se tornaram o ‘GazettE’?
Uruha: Sim.

Mas vocês pensavam, “Não vamos desistir, caras!”…?
Uruha: É, nós nunca desistimos –
Ruki: Nós nunca perdemos a esperança.
Uruha: – Mesmo quando não haviam muitas pessoas, a fim de fazer com que mais pessoas soubessem sobre nós, nós fizemos quantos shows nós podíamos.
Ruki: Eu [nós] não via com uma grande luta naquele momento.
Uruha: Era óbvio que não haviam tantas pessoas –
Ruki: – era óbvio que não haveriam muitas pessoas e isso não nos incomodava tanto.

Mas seus fãs, das bandas anteriores, não iam vê-los tocar?
Uruha: Ah, isso foi o mais difícil, perder aqueles fãs.
Ruki: É. Nós não fizemos jus às suas expectativas.
Uruha: Alguns dos fãs que iam nos ver nas apresentações das bandas anteriores, não iam nos ver como o “GazettE”.

Ah, então coisas assim acontecem. Mas agora, vocês fazem apresentações como as do ‘Budoukan’! Lembrando de quando não haviam muitas pessoas indo vê-los, e comparando com agora, como vocês se sentem?
Ruki: Nós sentimos que as pessoas finalmente nos entenderam. (risos) No geral, o que estamos fazendo agora não é diferente do que fazíamos antes, é só que ninguém ia nos ver.
Uruha: Nós estamos definitivamente felizes e gratos.
Ruki: Definitivamente.

Agora, vocês fizeram shows no exterior – o que vocês acharam deles? São diferentes do Japão?
Ruki: É tipo, como se os fãs japoneses estivessem bêbados –
Uruha: (risos) Bêbados?
Ruki: É quase como se os fãs no Japão estivessem sóbrios, e lá [no exterior] bêbados.

O que você quer dizer com isso?
Uruha: Eles estão completamente extasiados.
Ruki: Extasiados, é.

Sério?
Ruki: No Japão, os fãs se contém antes dos shows começarem, mas no exterior, é como se já tivesse começado.

Antes mesmo de vocês irem pro palco?
Ruki: É, mesmo antes de estarmos lá –
Uruha: Eles agem como se o show já tivesse começado.
Ruki: – quando nós ainda estamos no backstage, o show já começou.
Uruha: Realmente!

Wow.
Ruki: Eles já criaram o clima.
Uruha: Eles criaram o clima para nós, então quando vamos pro palco, nós podemos entrar naquele mesmo clima.

Então quando vocês estão no palco, a atmosfera é completamente diferente [do Japão]?
Uruha: É, você precise ve-los!
Ruki: Você precisa – eles são loucos!

Eles fazem estragos e ficam pulando…?
Uruha: Sim, tivemos que ficar fazendo intervalos.

Por que os fãs eram muito desordeiros?
Ruki: Sim, muitas coisas estavam acontecendo
Uruha: Estava ficando caótico.
Ruki: Até mesmo os seguranças estavam participando!
Uruha: Eles estavam mantendo os fãs no lugar, então se viram e estavam tipo, “YEAH!” [faz pose de punho do rock]. Era tipo, “Caras, façam seu trabalho!” (risos)

Mas eu aposto que, como a banda que estava no palco, vocês ficaram extasiados também?
Ruki & Uruha: Nós ficamos.
Ruki: Os seguranças eram os mais extasiados! Era tipo, “o que?”

Mas assistindo tudo do palco, vocês foram capazes de manter a calma e se apresentar?
Ruki: E aí que está, nós não conseguimos – nós ficamos extasiados desde a primeira música!

Fazendo shows em diferentes lugares no Japão, vocês percebem diferenças entre as várias cidades? Como entre Tóquio e Osaka?
Ruki: Ah, Osaka – na área de kansai, os fãs realmente mergulham de cabeça.

Sério?
Ruki: Sabe quando apagam as luzes pouco antes de começar o nosso show? Bem, nós sabemos o que esperar dos gritos dos fãs nesse dia.
Uruha: É verdade.

O que você quer dizer exatamente?
Uruha: Apenas ouvindo os fãs gritando ou não quando as luzes se apagam, sabemos como o show será.

Então, se o fizerem, isso mostra que eles vão dar tudo de si –
Ruki: – e nós sentimos que as coisas vão se sair muito bem, mas quando a sua resposta é um pouco incerta… –
Uruha: – quando eles não respondem tão bem, nós pensamos “Será que as coisas irão bem?”
Ruki: Quando eles hesitam, tipo, “Kya…kyaa!”, nós pensamos “Porra, hoje não vai ser bom!”
Uruha: Achamos que precisaremos nos esforçar mais.

Vocês formam um círculo com os outros membros para animar uns aos outros antes de shows, então?
Uruha: Nós formamos. Sempre.
Ruki: Nós também temos diferentes versões dele, e mudamos ocasionalmente, não é?
Uruha: Ur… Nós mudamos?
Ruki: É, tipo… Nós dizemos nós vamos fazer “desse jeito” desta vez. Nós mudamos, como pular em vez de abaixar…

Oh, então quando vocês dizem “YEAH!” vocês pulam em vez de abaixar?
Ruki: Mas isso tende a não funcionar.
Uruha: Nós realmente erramos!

O que vocês normalmente fazem?
Ruki: Nós todos colocamos nossas mãos no meio –
Uruha: O que? Não, nós colocamos nossos braços uns nos ombros dos outros!
Ruki: Ah é! (risos)
Uruha: Não ouse esquecer! (risos) Considerando que fazemos isso o tempo todo!

Vocês tem más recordações de cometer erros durante os shows?
Ruki: Teve a vez em que meu sapato voou.

Seu sapato?! Será que quis chutar ou algo assim?
Ruki: É, eu quis, e acabou voando para o público, não foi?
Uruha: É.
Ruki: Eu tive que pedir pra eles [os fãs] me devolverem.

Enquanto você estava cantando?
Ruki: Bem, eu meio que gesticulei pra eles (mostra o gesto)

Mas do ponto de vista dos fãs, eles não iam querer devolver, eu posso imaginar!
Ruki: Todos eles me ignoraram. Eles estavam todos tipo, “A gente não sabe do que você está falando”!

Eles deveriam estar brigando pelo sapato!
Ruki: Bem, não, porque ninguém sabia pra onde ele tinha ido!

Como você sempre usa um monte de acessórios e jóias, você não perde alguns quando pula?
Uruha: (gesticulando pro Ruki) Ele está sempre perdendo alguma coisa!

Você não consegue nada de volta?
Uruha: Parece que conseguiu tudo de volta…?
Ruki: Uma coisa não voltou pra mim (risos)

Vocês tem outras lembranças de shows?
Uruha: A minha é de quando eu caí para fora do palco. Foi tão embaraçoso…

Enquanto você estava tocando?
Uruha: É, eu me deixei levar e fui muito perto do final do palco, e eu perdi o equilíbrio e caí pra frente!
Ruki: Ele caiu, e ele continuou tocando.
Uruha: Depois do show, Ruki falou, “Cara, você está tão empolgado hoje!”
Ruki: Porque ele caiu e ainda estava tocando fora do palco!

Mas você não se machucou?
Uruha: Eu estava bem, Eu só… caí (risos)

Vendo tudo isso, do ponto de vista do público, pareceria que era tudo parte da performance, quando na verdade –
Uruha: – Eu tinha caído do palco.
Ruki: Quando você assiste o vídeo dele depois é óbvio que ele está caindo acidentalmente (risos)

Eu tenho certeza que vocês tem alguns fãs intensos que lhe enviam presentes e outras coisas; que tipo de coisas que eles têm dado?
Ruki: Bem, quando fizemos o tour no Japão –
Uruha: – oh, a bandeira –
Ruki: – tinha essa bandeira, a bandeira japonesa, com recados escritos pelos fãs. O fã que teve a ideia, tinha levado a cada show em todas as partes do Japão e pediu aos outros fãs que ela ou ele nem conhecia, para escrever alguma coisa. E nos foi dada uma em cada um dos shows finais da nossa turnê. Algumas vezes foi exibida no dia do show.

Tenho certeza de que ficaram muito gratos por eles terem feito isso.
Ruki: É, é verdade que nós gostamos de receber algo que dinheiro não pode comprar.
Uruha: Reconhecemos quanto esforço foi colocado naquilo.

Agora eu gostaria de fazer algumas perguntas mais pessoais –
Ruki: Vá em frente.

Fizemos vocês preencherem um questionário antes desta entrevista, então eu gostaria de fazer perguntas relacionadas a ele. Em primeiro lugar, um alimento que você provou, e que era realmente delicioso! Eu achei engraçado que ambos escolheram alimentos quase completamente opostos! Ruki, você escolheu ‘foie gras’ (um prato francês) –
Ruki: Eu escolhi. Eu realmente gostei disso!

Não é raro encontrar alguém que gosta de foie gras?
Ruki: Se você viajar de avião pela classe executiva, ‘foie gras’ é parte do menu. É assim que eu experimentei pela primeira vez, quando fomos para Cannes (França). Eles tinham até trufas de sobremesa.

Essa era uma classe executiva de alto nível!
Ruki: Era mesmo! Fiquei tão surpreso. De qualquer forma, eu sabia que eu gostava de trufas, mas após experimentar foie gras…! Tem um sabor tão bom! Eu decidi comprar alguns e trazer comigo.

Você comprou alguns então?
Ruki: Eu comprei uma lata pra trazer comigo.

Você com certeza é privilegiado! Você já provou algum no Japão?
Ruki: Eu geralmente compro por serviço de entrega, e espalho no pão – Me disseram que o sabor é bom como geléia e… Não é como se eu comesse todos os dias! (Risos) Mas se eu for a um restaurante e tiverem, eu vou pedir.

O fato de você comer foie gras, faz você parecer muito refinado e maduro.
Ruki: Faz? O sabor não me faz pensar em algo assim…
Uruha: É bom mesmo.
Ruki: É.
Uruha: É algo que iria bem com uma bebida.
Ruki: É, tipo como um petisco pra acompanhar.

Mas para considerar foie gras como um “petisco”, você precisaria ser bem rico!
Ruki: Você precisa ser bem rico mas –
Uruha: – ele não bebe [álcool]!
Ruki: Eu não bebo!
Uruha: Foie gras, somente.
Ruki: Eu acompanharia com um ginger-ale, ou algo assim…

Aw, que fofo!
E Uruha escolheu tarako [ovas de bacalhau] spaghetti [prato japonês]
Uruha: Eu escolhi um muito comum, prato típico! [no Japão]

É tão adorável!
Uruha: (risos) Veja, de volta nos dias do começo da banda, quando eu tinha que viajar de casa para lugares [para os shows] tipo Tóquio, tinha esse restaurante muito bom de spaghetti [espaguete/italiano] que meus companheiros de banda, e eu, íamos com frequência. É parte de boas lembranças.
Ruki: (risos) Nós íamos, é.

Isso é tão fofo.
Ruki: Nós nem sequer olhavamos o menu, olhavamos?
Uruha: Basicamente; era entrar e comer! (risos)
Ruki: (risos)
Uruha: Eu tenho um vídeo muito engraçado no meu celular, onde o Ruki – quando entra no restaurante, um garçom ou garçonete vem nos receber, certo? E, no mesmo momento, ele já está dizendo “3 Tarako Spaghetti, porções extras”! (risos)
Ruki: (risos)
Uruha: É muito rápido como ele faz o pedido! Eu gravei o vídeo dele fazendo isso no meu telefone, pelas costas.

Vocês sempre pedem Tarako spaghetti quando vão, então?
Ruki: Bem, porque nós íamos lá com frequência, me disseram que eu costumava fazer o pedido antes mesmo de sentar –
Uruha: – sim, nós íamos!
Ruki: – por isso, assim que abriam a porta, sem esperar para ver se o garçom ou garçonete ia nos receber, eu já estava tipo, “3 Tarako spaghetti”!
Uruha: E um fondue de queijo.

Como o garçom ou garçonete reagiam?
Ruki: Eles ficavam tipo, “Urr –
Uruha: – obrigado pelo seu pedido! Mas que tal se sentar primeiro?”

Vocês sempre cozinham para si mesmos em casa?
Uruha: As vezes.

Tarako spaghetti?
Uruha: Eu faço. Mesmo em casa! (risos)

Você gosta mesmo disso, não?
Uruha: Eu amo!

Achei interessante que vocês dois são como opostos.
Ruki: Tudo é bom. Você está apenas dando a impressão mais favorável.
Uruha: Como? (risos)

Próximo, seus hobbies recentes! Uruha escreveu “jogar Nintendo DS”.
Ruki & Uruha: (caem na gargalhada)
Uruha: Peço desculpas por ser tão comum e medíocre!
Ruki: São as salas de chat.
Uruha: É, elas são uma boa diversão.

Você joga videogames com frequência, então?
Uruha: Eu jogo.

Quais tipos de jogos, por exemplo?
Uruha: Durante as turnês, todos estamos reunidos, por isso é fácil de se conectar com outros consoles e jogar juntos. É tipo, “tragam os seus, então podemos jogar juntos!”. E então quando você começar a jogar – oh, você pode fazer bate-papo por isso, então todos nós começamos a usar bastante a sala de bate-papo.
Ruki: É bem divertido.
Uruha: É mesmo!
Ruki: Nós conversamos sobre as pessoas que estão na mesma sala. Nós, basicamente, tiramos sarro deles!
Uruha: É muito divertido fazer piadas bobas nos chats.
Ruki: Como desenhar imagens dos rostos das pessoas.

Todos os membros fazem isso?
Uruha: Eu acho que sim… Embora algumas pessoas não…
Ruki: Também, há aquelas pessoas usam os de outras pessoas [Nintendo DS].
Uruha: (rindo e gesticulando, apontando pro Ruki dizendo “uma dessas pessoas”)

Vocês costumam se reunir na casa de alguém para jogar videogames?
Ruki: Nós nos reuníamos no passado. Eu não gosto – bem, Eu realmente não jogo jogos de console, mas havia esse jogo que todos nós jogávamos juntos –
Uruha: – era um jogo de luta. Era o único que ele [Ruki] jogava… E você podia jogar com 5 pessoas!

Você quer dizer, em uma tela?
Uruha: É, nós compramos todas as partes extras

Wow!
Ruki: (para o Uruha) Eram 4 pessoas.
Uruha: Oh, eram 4?
Ruki: 4 pessoas jogavam, e quem perdesse trocava com a pessoa esperando.
Uruha: Ah é (risos) Todo mundo queria continuar jogando, então ninguém queria perder!
Ruki: Isso foi, na verdade, enquanto estávamos gravando. Então sempre que tínhamos tempo, nós jogávamos esse jogo.
Uruha: Estávamos tão viciados nisso!
Ruki: É. Nós jogávamos até em casa! (risos) Depois de gravar, mesmo estando cansados, nós jogávamos algumas rodadas.

Que loucura! Mas eu não consigo imaginar todos vocês vidrados num jogo de console!
Uruha: Nós não jogamos mais.
Ruki: Não jogamos mais. Isso foi quando nós costumávamos nos dar bem.
Uruha: EH?! (risos)
Vocês se dão bem agora, não é??! (gargalhadas)

“Uma característica sobre você que você admite e acredita ser o melhor nisso”. Ruki escreveu “Eu posso ser egocêntrico”.
Ruki: Eu acho que há partes de mim que eu preciso poder mostrar, especialmente como o vocalista… Eu quis dizer isso dessa maneira.

Isso significa que muitas vezes vocês entram em uma briga?
Ruki: Bem… Eu acabei tendo uma experiência ruim. [isso pode estar errado, eu fui incapaz de pegar o que ele diz exatamente]
Ruki: Depois de ficar com raiva eu me sinto mal, então eu paro de falar.

Você se segura. Ele é sempre assim? (para o Uruha)
Uruha: Bem, tipo isso. Se ele demonstra seus sentimentos, a única coisa que podemos fazer é engolir e aceitar… Tentamos ver o seu ponto de vista. Tentamos nos ajustar.
Ruki: Mas eu não faço isso sempre!
Uruha: (risos)

Ah… Posso dizer que todos se entendem bem.
Ruki: Eheh.
Uruha: Oi, o que você quis dizer com essa risada “eheh” amarga?! (risos)
Ruki: (risos) Essa não foi uma risada amarga! Não diga coisas assim!
Uruha: (hihihi)

Por último, eu gostaria de pedir uma mensagem para os seus fãs.
Ruki: Um, bem… Nós podemos ser meio geniosos às vezes… Mas não somos más pessoas. Então, por favor, continuem a ficar com a gente.
Uruha: Por favor.

Leave your Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: