and posted in Entrevista, Tradução

Créditos:
Francês – sumire.fr
Português – Grazi @ MH


– Existem muitas musicas de estilos diferentes no DISORDER…

Aoi – Nós tinhamos escrito um grande número de ‘tipos’ (ele se refere a estilos diferentes) diferentes de música, com o passar do tempo nós realmente não nos preocupamos com o tipo de música que teria o álbum.

– Parece muito mais… constante que o habitual.

Ruki – Assim como nós, eu queria que ele (o álbum) tivesse essa imagem. Eu penso que todas as músicas estão ligadas a um tipo de imagem. Se tornou uma espécie de álbum impulsivo.
Quando nós terminamos o DISORDER, eu senti que nós podiamos voltar para o momento em que a banda começou… DISORDER se tornou algo como, o primeiro passo.

– É o primeiro álbum completo que o grupo faz. Você nunca pensou nas coisas que poderia fazer por que é um álbum?

Uruha – Sim! Nos tentamos fazer as coisas para todos os gostos, ou coisas que são de gostos loucos. Saraba é assim.

– O fato de que é um álbum que mostra a ordem das músicas?

Uruha – A ordem das músicas é como o estilo da setlist em um Live.

Ruki – É como se houvesse uma entrada e em seguida, uma saída.

– Era como um ponto particular de cada um de vocês nesse album?

Kai – Eu era muito exigente quanto ao barulho das caixas. Eu utilizei 2 tarolas para uma música e depois eu mudei o ‘tam’ ajuste da bateria (‘tam’ deve ser o som que o ajuste fez, pq isso não tem tradução ‘-‘) para cada música. Eu pensei que seria muito interessante se eu me concentrasse no ruído (do instrumento) e eu pensei em tudo no álbum.

Reita – Eu mudei os moldes do baixo de modo que cada ruído é diferente a cada vez (que tocado).

– E a respeito das guitarras?

Aoi – Eu tentei me concentrar no que eu fiz. As vezes era tão cansativo e eu esperava que eu pudesse escuta-lo por tanto tempo quanto desse, porque é um álbum. (acho que ele quer dizer que queria “aguentar” escutar sempre o álbum, porque deu trabalho pra fazer). Mas eu suportei tanto quanto eu poderia. Eu acredito que eu mantive um equilíbrio apropriado…

Uruha – Eu toquei pela emoção. É sobre tudo. Quando eu escutei as músicas, eu tive visões, tive flashs de cada música na minha mente. Eu tentei imaginar as maneiras pelas quais eu poderia expressar a cena ou as pessoas, pela guitarra.

– Alguma vez antes, você já tentou expressar algo de seus pensamentos?

Uruha – Não, eu nunca pensei, mas dessa vez eu tinha visto (as musicas em sua cabeça, como flashs). As músicas me disseram algo, e eu respondi.

– Dessa vez, as guitarras estavam muito individuais…

Aoi – A gravação da bateria e do baixo foi concluida rapidamente. E nós só tivemos cerca de um dia e meio de tempo livre; assim eu falei com um engenheiro sobre o que eu faço. (sim, a palavra é engenheiro mesmo. Mas deve ser um especialista em música.)

– Sobre a música?

Ruki – Eu cantei como o habitual. Desta vez, eu acho, que fui muito exigente a respeito das letras e das melodias (ele se refere ao álbum). Eu quase estourei! Era como se eu quizesse fugir (risos). Eu não conseguia me concentrar muito, e eu estava como, “Oh meu Deus, eu não posso mais escrever!!”

– Explique o álbum de vocês e principalmente sua nova música: The $ocial Riot machine$

Ruki – Foi o Aoi quem a escreveu.

Aoi – Quando nós decidimos quais músicas seriam gravadas para o álbum, nós não encontramos nenhuma música que me fizesse sentir bem de primeira (impressão). Não tinha nenhuma música forte, sendo assim, eu a compus. Foi a primeira vez que eu compus uma música para o GazettE.

Ruki – Foi bom, tem uma estrutura incrível.

Aoi – Eu pensei que era bom, como um sentimento, algo de gentil, algo de estranho, mas além disso algo bom para ouvir.

– Eu também achei o título interessante.

Ruki – Esta palavra já existia na época do ~MADARA~. Se você traduzir pro japones, ela fica “Shakai boudou ki” (Segundo a Satsuki, isso é algo tipo “violência social”)

– Assim, ela é chamada de insígnia (na tradução do francês, a palavra usada é “devise” que significa moeda estrangeira, e como notam… não tem nada a ver -.- Então eu procurei algo equivalente no francês ). Eu acho que ela tem um significado como “faça uma Revolução”

Ruki – Eu acho que esse é o tipo de imagem que é o the GazettE.

~~~ Carry? ~~~

Ruki – Eu compus Carry?.
Eu pensei nos morcegos voando e Frankenstein flutuavam em minha mente. Esse não é o tema da música, mas era nisso que eu pensava.

Uruha – Eu nunca imaginei que ela tinha uma imagem tão gotica. (nem eu -.-). Então, eu realmente não esperava que essa música se tornasse assim.

Ruki – Na realidade, essa música tem o núcleo gotico. (akspokspokaposkpos ele tava dorgas quando compos que eu sei xD)

Reita – Eu não pensei que ele cantaria em inglês. Eu pensei que ela seria mais melodiosa. Bem, ela é melodiosa assim, mas ela tem um pouco dessa atmosfera misteriosa. (Tem…? D:)

– Você pretendia escrever letras em inglês, desde o início?

Ruki – Eu tentei escrever primeiro em japones, mas… eu não consegui me expressar muito bem. Eu pensei que seria legal se eu escrevesse em inglês, assim, eu decidi. Não há outras razões.

– Mais do que isso, é notável, porque você escreveu três longas frases em inglês.

Ruki – Eu não sei se esta certo… Bom, é particularmente visual. Quando você for assistir filmes, tente ouvir a essa música e a mensagem se mostrara claramente. (quando ele diz “a essa música” ele não se refere exatamente a Carry? mas a música do proprio filme)

~~~ MAXIMUM IMPULSIVE ~~~

– Ouvi dizer que Uruha que compos ela. Ele me impressionou, porque a parte principal dessa música é muito agradável.

Uruha – Eu compus a maior parte e eu gostaria que houvesse uma atmosfera agradável. Foi assim que eu começei a música que eu queria. Mas as partes estranhas são do Ruki, não é?

– No início da música, na parte do hip-hop, eu pensei “É realmente o Ruki que canta isso?” Foi realmente enérgico [risos].

Uruha – Eu queria o som enérgico.

Ruki – Eu não sei como fiz com a minha voz, mas depois de ter feito, eu pensei que talvez fosse muito enérgico. [risos]

Aoi – Não, você é realmente enérgico.

Uruha – Bem, as palavras-chave dessa música são ‘masculino’ e ‘prazer’.

Ruki – Sobre as palavras, ela exprime minha experiência quando eu tinha uma impulsão na música. Maximum Impulsive significa exatamente isso. Eu a comparei com uma droga. As drogas são viciantes e é assim com a música.

~~~ HANAKOTOBA ~~~

Aoi – Eu compus Hanakotoba.

– É uma música bastante lírica e surpreendende, não é?

Aoi – Eu queria que fosse um número dramático [risos] Ela flui bem e há uma parte emocional… Eu tentei esse contraste.

Kai – É muito difícil de expressar meus sentimentos nessa música. Foi muito difícil porque não há realmente um ponto forte.

– Que tipo de imagem você daria para as palavras?

Ruki – Acima de tudo, Aoi disse que a imagem da música foi Hortência (uma flor) mas eu não podia fazer nada com ela [risos]. A imagem que eu tinha não era a de uma bela flor… como… quase um rabo de cavalo.

Todos – Um rabo de cavalo??

Ruki – O que eu posso dizer? É uma flor realmente suja…

Aoi – Você quer dizer, a flor que floresce sobre a rachadura do asfalto?

Ruki: Sim, é isso. É como estar manchada com a água de um carro (quando o carro passa por uma poça d’água e ela respinga na flor). Com os cachorros é assim também. Há os com pedigree e os bastardos (vira-lata). É muita discriminação e eu queria expressa-la.

~~~ TOKYO SHINJUU ~~~

Ruki – Eu compus essa. É tipo, como as antigas músicas japonesas chamadas ‘kayoukyoku’ (fui procurar sobre isso, kayoukyoku é uma especie de “Enka” só que sem as baladas tradicionais desse estilo. Seria um “Jpop das antigas” saiba mais aqui ). Mas eu queria uma versão diferente delas. Eu disse aos membros que ela deveria ser semelhante de como era há 17 anos.

– O som do baixo é fortemente enfatizado.

Reita – Eu estava consciente da proposta do estilo de música antiga japonesa.

Ruki – É uma música legal.

– Sobre as letras. O tema dessa música é “fugitivo” e bastante romântico.

Aoi – Porque é de um romantismo profundamente baixo, muito diferente do que aparenta!!

Ruki – As vezes no fim de um drama, uma música-tema é tocada quando um ator diz algo. Eu tinha isso como imagem. Bem, para ser mais preciso a imagem está no drama Kita no kunikara (Série de drama, muito popular no Japão)

– Hotaru-chan? [risos] (ator principal)

Ruki – Hotaru não, Jun [risos] (Irmão do Hotaru xD). Bem… uma espécie de melancolia, tristeza quente. Você entende?

~~~ SxDxR ~~~

Ruki – Essa música é sobre sexo, drogas e rock and roll. E é como Rock and roll que não gosta de Rock. Eu tinha uma imagem delinquente. E estilos para combinar com óculos de sol. (Foi muito absurdamente tenso traduzir essa parte ¬¬)

– Quem a compos?

Ruki – Eu. É uma música punk.

Uruha – Mas a parte principal dessa música é pop. (tapa na cara do ruki oiq)

Ruki – Muita música punk que eu conheço é normalment pop. Suas melodias normalmente são muito cativantes.

– Existem alguns nomes como ‘Kurt Cobain’, ‘Courtney’ e ‘Malcom’ nesse tipo de música. E contém o significado de homenagem por eles?

Ruki – Sim. Você sabia que há muito tempo as pessoas achavam que coca cola continha cocaina? (OMG KSPAPSKOAPSKOPKS *rolando alpes* PÇKASPOKAOPKSPAOKSPAOK pobre criança boba xD~)

Reita – É uma historia que eu contei cara !

Kai – Eu também sabia, antes! (do reita contar)

Reita – mentira!

Todos riem.

~~~ ANTI POP ~~~

Reita – Essa música não estava pronta quando começaram a gravar a bateria.

Kai – Eu estava ancioso, eu não estava realmente, senti bem antes (a ansiedade) [risos]. Nós fizemos ela pela força. Eu acho que essa força aparece na música.

Uruha – Anti Pop, que o Reita compôs, não era nada mais do que uma introdução quando a ele compôs a primeira vez. Então ele disse aos membros algo como “alguem a compôs”. [risos]

Reita – Meu cérebro não funciona!! [risos] (sempre desconfiei )

Ruki – Ele compôs apenas o jazz da introdução.

Reita – Não! Eu compus até a parte do Jazz, o tempo mudou de repente. Eu queria fazer isso, e soou tão bem assim. Era agradável pra mim. Se eu tivesse tempo para compo-la, ela não teria tanta força. Era como “Deus! não há tempo! não há tempo!”. Por isso tronou-se uma melodia rápida.

Uruha – Eu me senti muito bem quando terminamos a gravação. É minha parte preferida do álbum e eu penso que essa música é um ponto de muita importancia pro GazettE.

Reita – Se não tivesse (no sentido de existir) esse álbum, não haveria nenhuma motivação. De qualquer forma, deve haver uma música emocionante em um álbum

Kai – Essa música é o sabor do DISORDER. (fica legal se traduzir disorder tb, fica “essa música é o sabor da desordem” *o*)

~~~ SHICHIGATSU YOUKA ~~~

Uruha – Você deve conferir essa música! A letra é surpreendente. Eu chorei! (OMG URUHA ;^;)

– Ouvi dizer que é continuação de Wakaremichi.

Ruki – Eu amo continuações. A letra é, fundamentalmente, uma história que se passa 2 anos depois de Wakaremichi.

– Wakaremichi é muito popular nos seus Lives, você acha que essa música poderia se tornar uma parte importante nesse processo (de shows)?

Ruki – É como um adeus a Wakaremichi.

– Assim, você espera que essa música substitua Wakaremichi?

Ruki – Sim.

Aoi – Mas não seria divertido, se tocassemos tanto Wakaremichi e Shichigatsu youka em um Live?

Ruki – É muito estupido!!

Aoi – É estupido…?

Uruha – Mas se é uma historia 2 anos depois de Wakaremichi, não é? Assim, não seria bom?

~~~ SARABA ~~~

Uruha – Eu compus ela. A imagem base era um pôr-do-sol… eu imaginei que a superficie da Terra estava parada e havia um pôr-do-sol. (O_O… mas quem pensaria em algo assim? xD)

Ruki – Quando eu escrevi a letra dessa música, eu vi um debate sobre guerra na TV. Então eu pensei como ela corresponderia a essa música. Quando ouvi pela primeira vez eu achei que soou um pouco como uma música de guerra.

– E assim, uma canção anti-guerra nasce exatamente? Uruha, como compositor o que você pensa sobre as letras com uma mensagem forte?

Uruha – Eu queria que ele escrevesse as letras com significados. Eu não queria que virasse uma história de amor. Por isso foi muito bom DISORDER ser o título do álbum, e ele contem muitas
músicas divertidas. Mas no fim, podemos ver um ponto real, a guerra não é legal…

Ruki – Este álbum expressa a confusão de um herói (Okay, isso foi mto lindo D:). Muitas coisas do espírito humano têm sido expressas com essas 12 músicas. Se você compreender isso, então eu acho que você vai achar tudo ligado.

Uruha – bem, eu acho que você pode interpretar como você quiser. Esse album é muito desorganizado.

Reita – Fizemos coisas nesse álbum, que eu queria fazer !!!

Aoi – Ele tem 12 músicas e cada uma é diferente, assim você não se cansa de ouvir. Eu acho que as personalidades músicais do GazettE foram mostradas pelas músicas.

Uruha – Quando eu começei uma banda, eu sempre quis fazer música ou algo assim, mas recentemente eu sinto que quero provar algo para nosso público. Eu penso que esse álbum se tornou uma oportunidade para convercermos nosso público de algo.

Leave your Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: