and posted in Entrevista, Tradução

Créditos:
Inglês: Kiniro-Ageha@LJ
Pt-Br: Mari @ MH


 

Em março de 2009, o the GazettE foi capaz de olhar 7 anos para trás (de história da banda), o que pareceu ser uma estrada de apenas sucesso, sem nenhuma dificuldade ao longo do caminho. Entretanto, por trás de tudo isso houve muitas angústias. Mesmo assim, eles conseguiram se livrar desses espinhos, e além de tudo e por causa disso, foram capazes de perseguir suas próprias liberdades na música e no modo de pensar.
Nesta edição, para entrevista pessoal está Ruki, que escolheu esse terno para a sessão de fotos bem livremente, e tanto falou sobre seu próprio gosto para roupas quanto sobre coisas que mudaram dentro do the GazettE, comparado com antigamente.

Um contra ataque moderno nas artes.

Ultimamente não importa quanto o Ruki-kun vem dar entrevista, suas roupas parecem ser sempre distintas. Sempre foi assim?

[Não, não foi]

Certamente, eu acho que foi em abril de 2003 quando encontrei o Ruki-kun pela 1ª vez, em alguma casa de show. Eu lembro que você usava uma jaqueta xadrez com um monte de bottons nela.

[Ah, deve ter sido assim. Naquela época eu usava um monte de roupas chamativas. Eu realmente gostava da “Hama Mike” que foi atuada pelo Nagase Masatoshi, e assim comecei a usar aquelas camisas com pardões, porque ele foi uma grande influência para mim.]

Quando você começou a se interessar por moda?

[Deve ter sido na 3ª série do ensino fundamental (isso seria a 7ª série por aqui). Foi nessa época que comecei a ouvir os cd’s do hide-san e do Kiyoharu-san]

Naquele tempo, acredito que os estilos do hide-san e do Kiyoharu-san eram bem extremos, não eram?

[É, enquanto o hide-san usava camisas floridas e chapéus tulipa, Kiyoharu-san usava ternos e sapatos Air Max. Os estilos deles eram bem diferentes, mas eu gosto de verdade desse estilo de moda excêntrica. No começo, eu meio que fazia cosplay deles. Eu comprei um chapéu casquete com estampa de leopardo, o anel com um olho e tal.]

Então, você era o típico Rock-kid por assim dizer, não era? Teve outros artistas que você admirava com relação a moda?

[Alguém que teria me influenciado é o J-san. Foi quando o álbum “Mother” do Luna Sea foi lançado que ele usava um monte de Rubber Bands nos braços, que eu imitava, ou o anel que tinha um inseto ou um com a letra A, também aquela cruz celta que ele usava…coisas assim]

Você viu mesmo muitas coisas (risos). Aconteceu muito de você se interessar/começar a gostar de artistas com um senso fashion tão único?

[Se tinha algo, eram aqueles estilos excêntricos e individuais. Além disso, até agora há algumas pessoas que dizem ser fashion. Durante o ensino médio eu também gostava do SEX PISTOLS, entretanto eu morei muito tempo no interior e realmente não sabia onde comprar aquelas camisas de gaze (aquelas de algodão cru) ou qualquer roupa punk. Também não tinha dinheiro para isso, por isso eu pegava os pôsters e tentava costurar aquelas camisetas e coisas do gênero eu mesmo]

E falando nisso, foi assim que o hide-san criou seu próprio estilo, usando influências punk.

[Dalí por diante meu jeito de me interessar pelas coisas mudou um pouco, enquanto eu ficava interessado naquelas bandas hardcore como o Motoaki-san do SOBUT, que era o guitarrista deles. Foi aquele estilo Rockabilly que eu realmente gostei e tentei pintar meu cabelo de vermelho e tal. Ou o Hi-Standart, que era o tipo de estilo que eu gostava. Era o tempo quando calça pescador e meia 3/4, eram bem fashion]

Aquele era um estilo estranho, não era? (risos)

[Era. Quando entrei no Visual Kei me livrei daquilo completamente. Entretanto, durante o colegial meu cabelo era bem curto. Eu gostava de bandas como “Nunchaku” ou “Kemuri” com o estilo japanese-core deles. Falando nisso, naquela época eu realmente queria ser um designer de tatuagem]

Um designer de tatuagem? você pensou em fazer uma tattoo?

[Não, mas as bandas que eu ouvia então usavam muitas ilustrações para as capas de cd, que eram feitas por tatuadores. Era o mesmo com aquela banda, cujo show eu me dava bem. Eles usavam aqueles designs japoneses tradicionais e figuras-gore como ilustrações para as capas de cd, que eram feitas pelas famílias deles. Meus amigos até usavam camisetas com aqueles designs que mostravam imagens de como eles foram enganados, como aquelas segurando o pescoço de um smaurai derrotado e as letras escrito “traidor!”. Eu achava aquilo extremamente legal! A partir daí eu comecei a fazer minhas próprias ilustrações]

Para expressar suas emoções com os desenhos

[Sim, isso mesmo. De algum modo eu queria me tornar um artista de tatuagem, e quando eu era velho o suficiente para ter um trabalho, me falaram que não existia algo como um “designer de tatuagem”. (risada sem graça) Eu também estava numa banda nessa época e estava bem perdido sobre o que fazer no futuro]

Já que queria se tornar um desenhista de tattoo, você ficou satisfeito com as ilustrações que desenhou?

[A escola que eu frequentei era na verdade uma escola de arte. Eu não conhecia ninguém lá e os desenhos que fazia eram uma chance para eu fazer amigos. Teve uma vez que um cara da última fileira desenhou o Jean Simmons (Kiss), e enquanto eu desenhava alguma outra coisa, eu comecei a conversa tipo “você gosta dessa banda?”. E assim ficamos amigos]

Não tinha mais nenhum amigo do ginásio?

[A escola era em outro município, então não tinha mais ninguém]

E naquela época, que tipo de roupa você gostava?

[Bem comum já que eu tinha que usar uniforme da escola, só que sem gravata, já que eu realmente não entendia porque gravatas estavam na moda. Também era a época de um tipo de moda punk, assim, nós espetavamos alfinetes de segurança em nossos uniformes e sapatos, algumas vezes em nossas calças skinny e gravatas. Com nossos uniformes, os casacos eram extremamente apertados e aquelas calças eram bem difíceis de usar. Porém, naquela escola também haviam pessoas gostando da moda hippie, com cachecóis com padrões psicodélicos e calças boca-de-sino. Isso estava indo em várias direções extremas e aquelas bandas que eram mais apreciadas seriam os Yankees, com o cabelo loiro deles. Entretanto, separado de tudo isso tinham os Anime-otakus. Na verdade, aqueles otakus eram os que estavam interessados em Visual Kei e usavam Shitajikis (tábuas de vinil para colocar sobre desenhos) com suas imagens. cada vez que víamos uma daquelas fotos todos diríamos “Woooaahhh! Isso é terrível!”….Eu não esperava que, hoje, eu seria daquele jeito (risadas). Enfim, a maioria dos meus senpais daquela escola eram punks, então a proporção de cabelos espetados era bem alta. Eu também era um daqueles usando cera de cabelo Gatsby. (risadas) Porque eu levaria bronca se preparasse meu cabelo daquele jeito em casa, eu fazia isso no banheiro da estação, mas aí os professores falavam para abaixar de novo. Então, na verdade, as únicas vezes que podia ficar com o meu cabelo todo estiloso era no caminho pra casa. Também, uma vez que você raspasse suas sobrancelhas, você as teria desenhadas de volta com caneta permanete pelos professores (risadas) Também teve um dos meus senpais que foi suspenso da escola, por ter tingido o cabelo de loiro]

Esse tipo de escola de arte pode ser bem rígido, certo?

[Nossa escola era especialmente rígida. Você não tinha permissão de ter nenhum piercing, mas já que aquela era a época que eu queria deixar meu alargador maior, eu planejei isso bem cuidadosamente para não ser pego]

Quanto tempo demorou para você abri-lo completamente?

[Eu o tinha aberto compleatamente de uma vez. Eu achava que de todos os caras eu realmente queria ter o maior buraco de todos (na minha orelha). De qualquer modo, tinha também um cara que tinha um buraco de 2 cm no maxilar inferior]

Isso soa como se comida pudesse espirrar dali

[Na verdade espirrava, como Misoshiro e coisas do gênero (risos) Era uma coisa bem idiota!]

Então no colegial você era uma criança punk assim

[É, como na era do punk e do hardcore (risos) A maior parte de nós era daquele jeito e de algum modo todos os meus amigos (inclusive eu) largaram a escola, já que ir lá era entediante. Na nossa escola, se atrasar ou não ir ao cursinho era um absoluto NÃO IR. De qualquer modo, eu não queria mesmo ir, então não fui por umas duas semanas e no fim meus pontos não eram suficientes. Assim, durante o meu 3º ano do colegial, eu larguei. Aquela coincidência foi apenas ruim…]

Você fez isso apesar de que seria capaz de se formar se tivesse sido paciente por apenas mais 6 meses?

[bem, eu peguei emprestado o anuário de um dos meus amigos depois da formatura e de 30 pessoas na minha classe, apenas 10 sobraram. Teve gente que saiu depois do primeiro dia, também teve algum tipo de incidente letal já durante o segundo dia e esse foi basicamente o tipo de escola que foi. (risada amarga) Quando eu disse aos meus amigos do ensino fundamental que iria para aquela escola, eles me perguntavam repetidamente se era algum jogo de punição. Mesmo quando fazia a pesquisa preliminar, parecia haver ressentimento claro nos rostos, bem como no “Be Bop High School (manga/drama)”. (risos) Entrar naquela escola foi meio inexperado e de algum jeito normal]

Bom, aquilo provavelmente não foi muito normal (risos) Então por que exatamente você largou essa escola?

[Não havia mais nada para mim do que estar numa banda. Eu fui convidado logo de cara para fazer suporte para uma das bandas do meu amigo, que era, na verdade, uma banda visual kei. Eu acho que eles ainda estão ativos como banda hoje. Já no ensino fundamental eu vinha usando maquiagem e tocava numa banda cover]

Naquela época, era o Luna Sea que vocês copiavam?

[Sim, era. Pensamos em copiar todas as músicas. Acho que essa foi a primeira banda em que eu usei maquiagem. Quando fazia isso, eu achava que era muito interessante e daí em diante aquilo foi profundamente implementado (o uso da make)]

Então você deixou de ter aquele cabelo punk espetado?

[Sim, eu tingi num rosa realmente chocante – aquele chamado “visual pink”. Porém, também foi quando eu pintei meu cabelo de várias cores diferentes]

Essa ainda era a época em que todas as roupas eram pretas?

[Já que isso foi a uns 10 anos atrás, deve ter sido e gradualmente tudo virou realmente mania. Eu gostava daquelas músicas, que eram basicamente colocar uma maldição em você com suas escuridão]

Mais uma vez, essa foi uma direção bem extrema que você tomou (risos)

[eu tinha asas anexadas a minha roupa preta e minha cara era toda branca (risos) Eu queria fazer algo realmente original, quando eu era o baterista da banda (Mikoto). Entretanto, eu fui com o guitarrista da banda que eu fazia suporte a uma loja de CD, já que pensavamos em fazer uma banda juntos e nós vimos um flyer de outra banda. Eles pareciam bem legais, então fomos assistir o live seguinte deles.]

Como você estava, quando foi ver aquele live?

[Era basicamente meu cabelo rosa combinado com uma camiseta branca e uma gravata preta. Não era muito normal. Eu parecia muito com os fãs de hoje em dia. Entretanto, já que [Mikoto] tinha um ar bem parecido (com o daquela banda), Uruha, Reita e eu fomos formar nossa própria banda [Karasu] como guitarrista, baixista e vocalista. Nós achavamos que éramos bem legais. Já que nós nos chamavamos de [Karasu] (corvo), queriamos criar música como se fosse o contraposto do “Lago dos Cisnes”. Porém, a banda era meio amaldiçoada, porque não era nem um pouco popular]

(Explosão de risos) NÃO ERA..???

[Absolutamente não. Naquela época, quando ainda era baterista, eu era o personagem feminino da banda…]

O personagem feminino? Realmente não consigo imaginar isso do ponto de vista de hoje (risos)

[Eu usava cabelo com rabos de cavalo, loiro e com penas e tinham folhas na minha bateria e tal. (risos) Naquela época, nos disseram que como éramos exatamente como a banda anterior, não esperavam muito de nós. Desde então nó mudamos mais o nosso estilo e mesmo sendo capazes de atrair umas 90 pessoas, nós eventualmente nos separamos…nessa época também tinha essa outra banda [Kar+te=zyanose] se formando, que o Uruha me pediu para me juntar se eu concordasse em ser o cantor. Foi aí que eu deixei de ser o baterista para ser o vocalista. Por falar nisso, foi quando camisetas sangrentas e gauze eram a moda para roupas. (risos) aquela banda tabém acabou depois de apenas 3 meses e foi também quando Uruha, Reita e eu decidimos formar nossa última banda juntos, que seria o Gazette de hoje]

Havia um conceito que vocês seguiam quando formaram o the GazettE?

[Bem, no começo, nós apenas íamos com o que estava na moda (risos) por volta daquele tempo eram aquela bandas que soavam como aquelas populares na era Sho-Wa (1926-1989). Apenas seguíamos isso. Depois disso, pensamos em fazer algo que ninguém tinha feito, como pensar até em usar malas de escola………….essa foi a raiz de todo o mal. (risada amarga)

Mas de algum modo você ainda seguiu com aquele estilo, não seguiu?

[Entretanto….não combinava. Também, não era popular]

(risos) Naquele tempo, todos vocês tinham os nomes escritos em kanji, certo?

[Reita era “Reiki”, o nome do Uruha era “Kyouki”. No começo o meu era “Kirihi”, quando eu pensei em mudar para “Rukia”, já havia alguém com esse nome, então fiquei preso com “Ruki”…e achei que era fofo]

Hoje em dia, fofo não seria muito favorável, seria?

[(risos) No começo “the GazettE” era escrito em katakana também, basicamente porque os nomes escritos assim eram bem raros]

Depois de ter se acalmado e decidido continuar com aquelas coisas da moda, sua imagem da banda aprofundou?

[Primeiro mudamos nosso meio de escape, depois ficamos assim por um tempo até encontrarmos nosso estilista, que fez nossas roupas pela primeira vez. Mesmo assim, nossa popularidade estava caindo e não conseguíamos lançar um cd, e antes de sairmos da nossa gravadora naquela época, fomos falsamente informados que a PS Company tinha interesse no Gazetto (risada amarga) E fomos até a PSC desse jeito, eles meio que olharam para nós pensando se estávamos falando sério…]

Porém, por sorte, eventualmente essa pode ter sido a razão de vocês terem entrado nessa gravadora. Você se lembra de que tipo de idéias tinham para fazer suas roupas naquele tempo?

[A primeira roupa (de verdade) que fizemos foi usada na foto de um flyer que a PSC usou, e era aquele onde eu tinha um arco ao redor da gola. E aí era uma que tinha um kanji escrito nela, que usamos para o “Cockayne Soup”…Realmente me pergunto que tipo de moda era aquela.
Eu acho que foi também quando anexamos aquela frase “Daí Nippon Itan Geisha” a nossa imagem. Foi um pouco como uma “festa da asa-direita”….]

Foi uma imagem forte de contradição, não foi?

[Naquele tempo nós lançamos “Cockayne Soup”, “Spell Margarita” e “Akuyukai”, que eram totalmente diferentes quanto ao conteúdo, não obstante, pensamos em combinar tudo em um álbum. Foi mais ou menos aí que começamos a dizer que não tinhamos conceito…porque na verdade, não tínhamos]

Falando nisso, você realmente manteve pessoas acordadas com o que começou lançando imagens. Seja por suas roupas, seus cabelos, não importa o que, vocês sempre tiveram esse toque bem especial em vocês.

[Bem, não dava pra evitar que gostávamos que tirassem nossas fotos e assim queríamos fazer algo diferente toda vez. O que ainda não significa que tínhamos um conceito]

Então não importa quando vocês faziam o design de algo, as idéias de todos combinavam?

[Não, não combinavam, nós na verdade fazíamos isso livremente, cada um por si]

As roupas pessoas do Ruki-kun também mudaram bastante, não mudaram? Naquela época, você usando uma touca de tricô seria bem inimaginável

[Basicamente, qualquer tipo de chapéu seria]

De que modo exatamente suas roupas mudaram?

[Basicamente, algo que não fique bom em mais ninguém é o que eu estou pensando…]

Entre você e a banda?

[Não, entre outras bandas também…entretanto, realmente não posso explicar o porquê. Eu usei mesmo muitas vezes aquela jaqueta xadrez. (risos) Ah, eu me lembro, naquele tempo eu usava roupas da ALGONQUINS…certamente meu modo de pensar sobre esse assunto mudou muito. Depois que aquele PPFM (loja de roupas masculinas) foi lançado… apesar de naquela época ele ter uma imagem bem mais Rock, e depois dessa eu gostei da SEXY DYNAMITE LONDON…]

Esse é bem o estilo da (loja de departamentos) Marui-One hoje em dia.

[É, bem assim. (risos) Entretanto, ainda me pergunto porque eu mudei depois disso………naquele tempo eu não gostava de jaquetas de couro também. Talvez apenas depois de lançar o “Madara” eu mudei das roupas mais normais para aquelas com imagem mais rock]

Então, qual sua mania recente?

[Essa é uma boa pergunta. Até agora eu não tenho usado muito terno, então queria tentar usa-los mais, como o de hoje. Eu fiquei entediado com o estilo super chamativo, o que também se reflete em minhas roupas pessoais. Querendo fazer essa sessão de fotos de um jeito confortável, eu escolhi esse terno.]

Para um terno usado por um artista esse é bem casual, ainda assim é feito sob encomenda num comprimento que serve bem melhor do que um item de marca. Como você se interessou por esse terno?

[É um terno feito por Tanaka Nojimi. Também, ele fica extremamente bem e justo, o que eu realmente gosto recentemente. Não é só sobre como se sente diretamente, mas eu gosto daquela imagem solta de um terno com uma camisa simples. Normalmente, eu não uso ternos.]

E você não está pensando em desenhar sua própria coleção em breve?

[Não, apenas camisetas está bom] (AHHHH Ç-Ç)

Aquelas camisetas que foram vendidas no Budokan em janeiro, junto com os goods do Gazette, foram camisetas desenhadas pelo Ruki-kun

[Sim, foram.até agora, estive fazendo todas as camisetas para os goods das nossas turnês. Eu acho que desenhar visuais é uma coisa, mas moda normal é bem difícil. Mesmo quando vou ao shopping comprar minhas próprias roupas é como se eu pegasse camisetas de uma marca, calças de outra, jaquetas daquela e sapatos de outra]

Isso soa bem luxuoso (risos)

[Normalmente eu vou de loja em loja e escolho várias coisas diferentes….o que é a razão do meu dinheiro sumir (risos) Mas eu acho ruim para mim escolher de apenas uma marca ainda mais usando catálogo]

No caso de você ter que dizer “Essa é a moda da estação”, o que seria?

[….provavelmente nada em particular (risos) De acordo com o ano, poderia depender das marcas, mas eu só usaria o que quero. Ultimamente casacos de pêlos estão de volta a moda, mas eu não estou muito interessado. No caso de eu realmente gostar de algo, eu não me importo muito com quanto custa. Não há muitas pessoas usando marcas japonesas e eu realmente gosto daquelas que enfatizam a silhueta….é assim que eu penso. E sobre recentemente, parece que cineastas e fotógrafos tem um olho incrível para moda. Eu gosto daquelas coisas que são meio casuais e ainda totalmente esplendidas de usar.]

Entretanto, por último, qual é o próximo estilo do Gazette que vocês irão nos mostrar?

[Ultimamente estou totalmente ligado em Daft Punk e eu gosto dessa imagem cyber, como de um futuro próximo…]

Então você pretende levar isso aos palcos de show também?

[Sim, eu acho que vai ter partes disso também. Eu espero poder criar algo com sensação de ainda mais novo. Eu tenho que pensar sobre como eu posso criar algo pesado, e ainda apenas um, pouco digital ao mesmo tempo. Na montagem de palco também, Eu realmente quero fazer algo que não poderia ser sentido até agora…bem, vai ser difícil]

Eu acho que o diretor de palco e sua equipe de iluminação vão dar seus melhores como sempre.

[Sim, porque nós normalmente decidimos as coisas depois de conversar sobre tudo bem a fundo. Nossa equipe de iluminação é realmente incrível. A montagem do palco é como…uma batalha de cálculos. Mesmo que a gente decida usar LED’s, ainda podem haver coisas que não conseguimos pensar. Eu gostaria que (o palco) pudesse ser ainda maior em largura. Isso é algo que está me preocupando. Eu quero elevar isso ao nível de fazer com que seja a definição do que o Visual Kei é hoje….e esse é o meu pensamento por trás de tudo]

 

Leave your Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: